Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Auxílio emergencial será prorrogado NESTA situação

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que o auxílio emergencial deve ser prorrogado apenas em uma situação específica: uma nova variante da Covid-19 surgir. Fora desta hipótese, o benefício social deve ter seus últimos pagamentos liberados em outubro e os saques seguirem até novembro.

Pelo calendário oficial do auxílio emergencial, a última liberação de valores acontece no dia 31 de outubro e os saques seguem até 19 de novembro. “Se tivermos um aumento na doença, faremos o mesmo que antes: nós aumentaremos os gastos com proteção para os mais vulneráveis. Mas não é isso o que está acontecendo, com vacinação em massa e volta segura ao trabalho”, defendeu Guedes sobre a posição de não renovar o benefício.

Leia também: Gás de cozinha perde espaço para uso da lenha

Está não é a primeira vez que Guedes descarta a prorrogação do auxílio emergencial, em outras ocasiões o ministro já defendeu que não a justificativa para prorrogação, mesmo com a economia em alta e mais de 2 milhões brasileiros terem caído para linha de extrema pobreza. 

Ainda neste mês Guedes chegou a confirmar que o auxílio emergencial deveria ser estendido, depois, por meio de nota, o ministério voltou atrás. 

Problema do Brasil é a inflação, defende Guedes

Em Washington, capital dos Estados Unidos, o ministro tem dados entrevista para emissoras locais. Em uma entrevista para ao vivo para TV Bloomberg ele destacou que os problemas a serem enfrentados não são o crescimento da economia do Brasil, mas sim a alta da inflação. “As pessoas que perderam a eleição há três anos não respeitaram o resultado e continuam a bater tambores. A gente entende, é a primeira vez que a esquerda perdeu para liberais-conservadores”, opinou Guedes.

O parlamentar está fora do país para reunião anual do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Guedes aposta no fim do auxílio emergencial e do Bolsa Família

Como já dito, sem a prorrogação do auxílio emergencial a última parcela de pagamentos deve acontecer dia 31 de outubro e a data final de liberação de saque 19 de novembro. Desta forma, a aposta do governo é o fim do auxílio emergencial e do Bolsa Família.

Na realidade, o Bolsa Família chegará ao fim para dar lugar para uma reformulação chamada de Auxílio Brasil – uma das ideias é tirar a “marca Lula” do programa social. “Vamos aumentar a transferência direta de renda para a população pobre cobrir os preços dos alimentos e da energia”, prometeu Guedes na entrevista.

Por outro lado, para de fato o Auxílio Brasil se tornar realidade, a liberação de recursos precisa acontecer ou a possibilidade de renovar o auxílio emergencial pode ser revista. Os recursos esperados para financiar o programa estariam focados tanto na taxação de dividendos (reforma tributária) e no parcelamento dos precatórios, ambas propostas precisam ainda de aprovação do Congresso.

Para o Auxílio Brasil precisa sair do papel ainda este ano, no ano que vem a legislação eleitoral proíbe o lançamento de programas como este. Até lá o governo terá que escolher e realizar o que estiver ao seu alcance.

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

1 comentário
  1. Paulo Diz

    Esse senho muito esperto está com essa enrolação toda abafar alguma coisa ja qui não vai ter mais o auxílio e cadê a ampliação do bolsa família ou auxílio Brasil como queira chamar o nome não é o importante e se o ano qui vem não da por ser ano eleitoral e porquê ele está deixando pra o fim do ano justamente pra não da tempo e ele fim com as desculpas é essas perguntas qui os jornalistas deveriam fazer ou parece qui estão de conluio com esse desgoverno

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.