Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Avalie o Texto.

Arrecadação Federal sobe 12,9% e bate recorde em setembro

O aumento de impostos como o IOF, fez com que o Governo Federal pudesse aumentar a arrecadação federal no último mês e assim batendo um novo recorde. De acordo com os dados que foram divulgados nesta terça-feira (26), a Receita Federal informou que aconteceu uma arrecadação de R$ 149,102 bilhões no mês passado.

Ao contrário do que vêm acontecendo na economia, onde realizar reajustes salariais têm sido cada vez mais difícil, a arrecadação do último mês do Governo Federal ficou acima da inflação, que já chega a 10,45% nos últimos doze meses.

Esse valor é o maior da história para o mês de setembro, contabilizando desde o início da série histórica em 1995 pela Receita Federal, com os valores que foram corrigidos pela inflação.

Arrecadação superou as expectativas do Governo Federal

A arrecadação acabou superando as previsões financeiras. De acordo com uma pesquisa que havia sido feita pelo Ministério da Economia, a expectativa dos analistas de mercado eram de que a arrecadação no mês de setembro iria chegar a R$ 138,758 bilhões.

O Governo Federal entende que está havendo uma recuperação da economia, mesmo com os últimos movimentos de queda da Bolsa de Valores e da disparada do dólar que voltou a ficar acima de R$ 5,50.

O crescimento da economia neste ano deve chegar a 5%, o que acaba impulsionando a arrecadação. Porém algumas mudanças na legislação, como o aumento do IOF contribuíram para essa maior arrecadação, ainda mais em um aumento do uso do cartão de crédito no país.

Aumento do IOF

O aumento do IOF entrou em vigor em setembro, com o intuito de viabilizar o financiamento do Auxílio Brasil, e acabou ajudando em uma maior arrecadação. Lembrando que de abril a dezembro do ano passado, o IOF havia zerado para operações de crédito, como uma medida para baratear o financiamento de crédito no início da pandemia.

Diversas obrigações de impostos haviam sido suspensas no início do ano, por causa da segunda onda da pandemia de Covid-19 que voltou a afetar diversos estados do país. Porém com a volta das cobranças, acaba incidindo em uma maior arrecadação por parte do Governo Federal.

Divisão por tributos

Já em relação aos tributos, as maiores altas registradas em setembro, no comparativo com o mesmo mês em 2020, foram registradas na arrecadação do Imposto de Renda Pessoa Jurídica. Houve uma alta de 3,5 bilhões, ficando em 16,94%, acima do índice da inflação.

Em seguida, aparece o IOF que teve um crescimento de 3,34 bilhões e que por causa do fim da isenção, acabou recebendo um reajuste no ano de 2021, por conta do novo programa que entrará em vigor, o Auxílio Brasil.

Por fim, também houve um aumento nas receitas da Previdência Social, que teve um aumento da arrecadação motivada pelo aumento da recuperação dos empregos com carteira assinada. Com isso, também sobe a arrecadação do PIS, Cofins, com um rendimento 6,71% acima do atual índice da inflação.

Avalie o Texto.

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.