Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

A Escravidão no Brasil: tudo para a sua prova!

A Escravidão no Brasil: um resumo

A escravidão foi utilizada, no Brasil, por mais de 350 anos. Na verdade, os escravizados foram, por muito tempo, a principal mão-de-obra do país.

Dessa maneira, não é de se surpreender que esse assunto seja tão cobrado pelas principais provas do país em suas questões de história do Brasil. A prova do ENEM, os vestibulares, alguns concursos e os vestibulares militares abordam a escravidão com uma grande frequência.

A Escravidão no Brasil: Introdução

A escravidão foi implantada no Brasil no século XVI, período que faz parte da Idade Moderna. Nessa época, o país era uma colônia de Portugal e vivia o chamado período colonial.

Assim, no ano de 1535, o primeiro navio negreiro chegou no porto de Salvador, na Bahia. Depois desse evento, a escravidão seria implantada e utilizada por 353 anos, até a sua abolição no dia 13 de maio de 1888, com a Lei Áurea, assinada pela Princesa Isabel.

Porém, mesmo antes de 1535 a escravidão já acontecia no Brasil. Isso porque, os índios foram as primeiras pessoas a serem escravizadas na colônia, antes mesmo dos negros africanos que eram capturados em possessões portuguesas na África (Angola e Moçambique).

É válido destacar, também, que os escravizados não recebiam nada pelo seu trabalho. Porém, foram eles os responsáveis pela produção de toda a riqueza do Brasil na época colonial. O primeiro produto a ser extraído pelos indígenas foi o pau-Brasil. Os africanos, por sua vez, seriam primeiramente utilizados como mão-de-obra nos engenhos, durante o Ciclo do Açúcar.

A Escravidão no Brasil: Os indígenas

Os indígenas eram capturados em algumas expedições que exploravam o interior do país, como as bandeiras. Ainda, eles podiam ser capturados como espólio de guerras entre tribos, uma vez que alguns grupos se aliavam aos portugueses para derrotar tribos inimigas.

Os padres jesuítas tentavam proteger as aldeias indígenas, uma vez que acreditavam que esses povos não deveriam ser escravizados (atitude que não ocorria em relação aos africanos). Logo os europeus deixaram de escravizar os indígenas, no momento em que descobriram que era muito mais lucrativo para a coroa portuguesa investir no tráfico de indivíduos da África.

A Escravidão no Brasil: Tipos de Escravidão

É válido destacar que a escravidão não aconteceu de maneira uniforme no Brasil. Isso porque, os escravizados eram utilizados de várias maneiras. A grande maioria daqueles que chegavam nos navios negreiros era utilizada na agricultura e, posteriormente, também na mineração. Ainda, eles poderiam desempenhar uma série de serviços domésticos na casa dos chamados senhores.

Nas cidades, por sua vez, existiam os escravos de ganho, que eram utilizados em uma série de relações comerciais. Eles poderiam, por exemplo, vender produtos manufaturados do engenho em que viviam ou auxiliar na administração do negócio de seu senhor.

A Escravidão no Brasil: Abolição

O Brasil seria o último país do mundo a abolir a escravidão, mesmo com todas as pressões inglesas desde o início do século XIX.

A abolição da escravidão ocorreria somente no ano de 1888, com a assinatura da Lei Áurea pela Princesa Isabel, filha de D. Pedro II, durante o Segundo Reinado.

A Escravidão no Brasil: Retratos

A escravidão no Brasil foi muito retratada por pintores e artistas de diversas épocas. Porém, sem dúvidas, podemos afirmar que a Missão Artística Francesa produziu diversas obras retratando a vida dos escravizados. Jean-Baptiste Debret foi o artista que mais se destacou.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.