Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Avalie o Texto.

Seguro-desemprego: Beneficio tem o menor número de requerimentos desde 2006

De acordo com um levantamento realizado pelo G1 com base em dados divulgados pelo Ministério do Trabalho e Previdência, o número de pedidos de seguro-desemprego durante o ano de 2021 foi o menor desde 2006. Para o Ministério, essa queda tem relação com o Benefício de Preservação do Emprego e da Renda (BEm) e da alta taxa de trabalhadores brasileiros no mercado informal.

Durante 2021 foram feitos 6.087.576 requerimentos do seguro-desemprego. Esse valor é 10,3% menor do que os pedidos feitos no ano de 2020, onde houveram 6.784.120 requerimentos no total.

Hoje no Brasil, possui direito ao seguro-desemprego trabalhadores que atuaram em regime CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) e foram demitidos sem justa causa. O valor e quantidade de parcelas recebidas pelo trabalhador dispensado depende da média salarial dos últimos três meses anteriores à demissão.

O valor máximo das parcelas do seguro-desemprego no Brasil é de R$ 2.106,08, devendo ser pago aos trabalhadores com salário médio acima de R$ 3.097,26. Além disso, o valor pago aos segurados não pode ser inferior ao salário mínimo vigente, atualmente de R$ R$ 1.212,00.

Trabalhadores no mercado de trabalho informal

Um fator que acaba pesando nos números do seguro-desemprego no país é a informalidade no mercado de trabalho. Atualmente, a cada dez trabalhadores no Brasil, 4 não possuem carteira assinada e direitos trabalhistas garantidos. Dados mais recentes sobre a taxa de desemprego no Brasil apontam que cerca de 40,6% dos brasileiros atuam no mercado informal.

Benefício Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda diminui requerimentos

O Benefício Emergencial de Manutenção do Emprego e Renda é destinado a trabalhadores que desejam realizar acordos com seus empregadores durante a pandemia. Desse modo, é possível suspender o contrato de trabalho ou reduzir a jornada de trabalho e de salário.

A redução na jornada de trabalho e salário pode ser de 25%, 50% ou 70%, com um prazo máximo de 120 dias. De acordo com a Caixa, a primeira parcela é disponibilizada ao trabalhador 30 dias após a formalização do acordo e as próximas parcelas são liberadas a cada 30 dias.

Para o Ministério do Trabalho, boa parte dos desligamentos que seriam feitos e pedidos de seguro-desemprego solicitados foram freados por conta do Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda (BEm). Com o BEm foi possível preservar 11,1 milhões de vínculos de trabalho, com garantia provisória de emprego.

De acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), em dezembro de 2021 havia mais de 2,1 milhões de trabalhadores com estabilidade provisória no emprego.

“Assim, somando-se os efeitos da retomada da atividade com os da garantia provisória [estabilidade no emprego], tem-se uma menor taxa de demissões sem justa causa, o que enseja uma menor solicitação do benefício. O nível de desligamentos está bem abaixo do registrado em 2016. Com isso, houve a queda na demanda pelo benefício”, informou o Ministério do Trabalho e Previdência sobre a queda de requerimentos do seguro-desemprego.

Avalie o Texto.

Veja o que é sucesso na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.