Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Renda média do brasileiro caiu 10% no início deste ano de 2021

Aos poucos, a economia brasileira vai dando passos de recuperação. O Produto Interno Bruto (PIB), por exemplo, acabou de apresentar um crescimento. O número de vagas formais também está crescendo. No entanto, a renda média do brasileiro está indo na contramão de tudo isso.

De acordo com um estudo da Fundação Getúlio Vargas (FGV), a renda média per capita do cidadão no primeiro trimestre deste ano foi de R$ 1185. Isso significa portanto uma queda de 10% em relação ao que se viu no primeiro trimestre do ano de 2020.

Trata-se da quarta queda trimestral seguida. A pandemia do novo coronavírus certamente ajudou neste processo. Na prática, milhões de trabalhadores estão tendo que se virar para conseguir comprar alimentos com cada vez menos dinheiro.

“Começa a haver um retorno dos trabalhadores informais, com mais horas trabalhadas”, diz Daniel Duque, pesquisador da FGV. “Por outro lado, como a renda dos formais é maior do que a dos informais, isso contribui para a queda que observamos na renda média geral”, completa ele.

Vale lembrar que a renda per capita se calcula por meio de uma divisão de valores. Para saber isso, basta somar os ganhos de todas as pessoas da casa e dividir pela quantidade de indivíduos que vivem no mesmo local. O número final é o que define essa média.

Renda cai, preços sobem

Vale lembrar que quase todas as capitais do país registraram no último mês de maio um crescimento nos valores médios das suas cestas. De acordo com dados do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), a cidade de Porto Alegre é a que registrou o preço mais alto.

No entanto, todas as 17 capitais em que há dados estão registrando valores altos para essas cestas. Na prática, isso significa dizer portanto que as pessoas estão recebendo menos por mês e ao mesmo tempo estão tendo que pagar mais porque os produtos estão ficando mais caros.

Projetos sociais

Diante desse cenário, boa parte dos especialistas acredita que o Governo precisa seguir realizando pagamentos de projetos sociais. É que a pandemia acabou deixando um rastro perigoso para boa parte desses trabalhadores. Por isso, eles ainda estão precisando destas rendas.

De acordo com o Palácio do Planalto, a ideia é justamente investir pesado nesses projetos a partir do segundo semestre. Há quem diga que o Governo vai transformar o novo Bolsa Família com este objetivo. Segundo o Presidente Jair Bolsonaro, os valores do programa irão subir.

Hoje, de acordo com o Ministério da Cidadania, o benefício está pagando uma média de R$ 190 para cerca de 14 milhões de pessoas. Com as mudanças, o projeto pode passar a pagar uma média de R$ 300 para cerca de 27 milhões de brasileiros. No entanto, essas ainda não são informações oficiais.

Auxílio Emergencial

Enquanto não confirma esses dados, o Governo Federal segue pagando o seu Auxílio Emergencial. Ainda de acordo com o Ministério da Cidadania, cerca de 39,1 milhões de pessoas estão recebendo quatro parcelas de valores que variam entre R$ 150 e R$ 375. O Ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que há a possibilidade de prorrogar o programa por mais dois ou três meses.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.