Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Reforma tributária: analista REVELA se haverá um novo imposto

Não há nada que impeça a criação de um novo imposto na Constituição de 1989, a regra deve se aplicar a Reforma Tributária.  A afirmação é do professor de direito tributário do IBEMEC – SP e da universidade Mackenzie, Caio Takano.

O profissional concedeu uma entrevista para Brasil Econômico nesta quinta-feira (24). Segundo ele, muitos impostos não estavam previstos na constituição, outros foram alterados.

Reforma tributária e novos impostos

As modificações de tributos na reforma tributária são possíveis por meio de Propostas de Emenda à Constituição (PEC).

“Sob a ótica do direito, não há nenhum obstáculo para a criação de um novo tributo desde que através de uma emenda constitucional, com alinhamento com todos os entes tributantes [União, estados, municípios e distrito federal] e se consiga a concordância sobre esse novo imposto no Congresso”, explica.

Desta forma, ele argumenta que reforma tributária não propõe novos tributos, o Imposto sobre Grandes Fortunas (IGF), por exemplo, já estaria na Constituição Federal.

“Além da carga tributária ser bem significativa, tem também a questão burocrática que as empresas têm que cumprir para estar em dia com a Lei. Isso tudo repercute para o cidadão na aquisição de bens e serviços. É por isso que as duas propostas, a Pec 45 e a 110, buscam reformar este cenário de alta complexidade, burocracia e custos no famoso custo Brasil”, relatou.

E continuou: “A proposta é unir os cinco tributos (ICMS, PIS, Cofins, IPI, ISS) em um único, o Imposto sobre Bens e Serviços (IBS). A diretriz do próprio ministro da Economia, Paulo Guedes, é não aumentar a carga tributária em termos absolutos”, pontuou o especialista sobre a reforma tributária.

“Existe uma questão da reforma bater de frente com o pacto federativo, mas não é a proposta a ideia que tem prevalecido no Congresso”, ponderou.

Caio Takano é:

  •  Mestre em Direito Tributário pela Universidade de São Paulo
  • Professor do curso de Especialização em Compliance do IBMEC/SP.
  • Professor de Direito Tributário da Universidade Presbiteriana Mackenzie C
  • Coordenador do MBA em Gestão Tributária da Faculdade Fipecafi.

Segunda fase 

A segunda fase da reforma tributária deve ser entregue ao Congresso nesta sexta-feira (25). Entenda aqui do que se trata e se isso deve pesar ou não no bolso dos brasileiros.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.