Políticas públicas: estudo pioneiro pode prever enchentes, gerar economia e amparar melhorias urbanas

Estudo pode prever enchentes e gerar economia

Um estudo pioneiro combina modelos de previsão de expansão urbana e de alterações no uso do solo para criar uma metodologia que fornece informações geográficas, identificando locais de riscos de inundações.

Estudo pioneiro pode prever enchentes, gerar economia e amparar melhorias urbanas

De acordo com informações da Agência Brasil, o estudo busca prever os desastres naturais em regiões com chuvas extremas. Isso porque é possível considerar os fatores referentes à previsão, ao solo e fatores dinâmicos para que uma nova metodologia direcione essa análise.

De acordo com informações oficiais, o estudo foi realizado em São Caetano do Sul, região metropolitana de São Paulo.

O estudo foi realizado em São Caetano do Sul

A cidade foi escolhida por ter eventos registrados sobre inundações frequentes. Além disso, a cidade também não é muito extensa, o que facilita a análise sobre a metodologia.

A cidade de São Caetano do Sul também é uma cidade documentada quanto aos impactos das enchentes, o que ajuda os pesquisadores do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e do Laboratório Cities, Coordenado pelo INPE, que realizam as pesquisas referentes ao sensoriamento remoto urbano.

A pesquisa utiliza diferentes intervalos e tecnologia de ponta

O projeto de pesquisa tem parceria com a Universidade Federal da Paraíba (UFP) e com a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), além de órgãos relevantes dentro do cenário urbano, como a Defesa Civil do município.

Em suma, para a análise da modelagem hidrodinâmica, os pesquisadores utilizam um software Hydrologic Engineering Center’s River Analysis System, que se refere a um programa que simula o fluxo e a elevação da superfície da água.

Terrenos digitais

Dessa maneira, a extensão das áreas inundáveis é analisada dentro do estudo, por meio de modelos digitais de terrenos. Visto que o programa adota intervalos diferenciados para a simulação, o que facilita o aspecto real da simulação analisada.

O estudo realizado em São Caetano do Sul demonstrou que regiões como a resolução espacial de 5 m, possuem maior potencial de alagamentos.

Visto que foram analisados 286 pontos alagáveis, dos quais 278 atingiram o seu potencial de alagamento em um menor tempo de cálculo. 

Novas metodologias e políticas públicas

Segundo os pesquisadores, a ideia principal do estudo é elaborar uma metodologia para suportar decisões referentes à questão das enchentes. 

Por isso, a simulação sobre a mudança do solo nos próximos anos também pode ser um diferencial nas decisões referentes à rede de escoamento fluvial.

A partir dos estudos, é possível trabalhar com diversos cenários, considerando os milímetros de chuva e o intervalo de tempo para alagamento em cada área do município.

Além de ser um estudo que pode gerar economia em projetos específicos, ainda pode salvar muitas vidas, prevendo o potencial para catástrofes de forma local.

A região do ABC, que abrange São Caetano do Sul, Santo André e São Bernardo do Campo, tem um histórico elevado de inundações. Visto que, de acordo com informações oficiais, foram 29 ocorrências entre 2000 e 2022.

Por outro lado, a cidade de São Caetano do Sul  foi analisada como a mais sustentável entre 5.570 cidades do Brasil, de acordo com informações do  Índice de Desenvolvimento Sustentável das Cidades (IDSC).

Inovação urbana e tecnologia na prevenção de tragédias

Esse modelo de pesquisa é primordial para o futuro das decisões referentes a cidades inteligentes e para a melhoria da infraestrutura urbana.

Visto que é uma maneira de mapear pontos que requerem maior atenção do poder público por conta da possibilidade de tragédias.

Portanto, o estudo realizado em São Caetano do Sul é de grande importância para um país como o Brasil, que tem as enchentes como uma grande questão urbana e precisa de novas políticas públicas nessa vertente.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.