Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Perfeccionismo nos estudos: Ser perfeccionista é defeito ou qualidade?

perfeccionismo nos estudos é a realidade de milhares de jovens que, a cada dia, buscam aumentar o seu padrão de qualidade nos resultados, não admitindo erros ou tropeços que possam “diminuir” as suas atividades e conquistas.

É como se a busca pela perfeição fosse constante. Um perfeccionista tende a se sentir mal, por exemplo, por não atingir a nota 10 em um trabalho, mesmo que ele tenha tirado 9,5.

Sua única fonte de satisfação, no contexto educacional, é a excelência. E essa excelência pode aparecer de diversas formas: lendo rápido, compreendendo o conteúdo de primeira, tirando apenas nota alta, fazendo as tarefas com muita antecedência, etc.

O problema surge, no entanto, quando esse perfeccionismo força a pessoa a se autocobrar cada vez mais. A necessidade de atingir um padrão muito rígido faz com que ela, diante de qualquer pequeno “erro”, se sinta frustrada, fracassada e com a autoestima abalada.

Mas, como lidar com o perfeccionismo nos estudos? O que fazer para ter uma autocobrança mais equilibrada? Como melhorar a qualidade de vida neste sentido? Veja abaixo algumas recomendações que podem lhe ajudar!

Perfeccionismo nos estudos: Ser perfeccionista é um defeito ou qualidade?

Quando falamos de um perfeccionista de maneira “negativa”, estamos apontando para o que chamamos de mal-adaptativo. O perfeccionista mal-adaptativo tende a se frustrar com bastante frequência e sente que um pequeno erro no cotidiano já é motivo para nada mais fazer sentido.

Assim, até mesmo a procrastinação tende a aparecer na rotina desse indivíduo. A conclusão de tarefas se transforma em uma verdadeira tortura, uma vez que o sujeito nunca se sente satisfeito com o que está produzindo.

Essa sensação faz com que tudo vire uma bola de neve. As falhas nos prazos faz com que a frustração nos estudos reapareça, além da visão de fracasso.

O perfeccionista tende a se enxergar como incapaz, e não como “perfeito”, como muitas pessoas acreditam. Ou seja, o perfeccionismo nos estudos não é necessariamente uma qualidade, mas sim, pode ser um sinal de que o gerenciamento de emoções do estudante está desequilibrado, o que faz com que ele fique estagnado sem concluir nenhuma atividade, pelo medo de não atingir a excelência.

Como lidar com o perfeccionismo?

Compreendido que o perfeccionismo nos estudos pode ser um problema que trava o estudante, como é possível lidar com essa situação e essa necessidade de perfeição? Veja:

  • Encontre o meio termo: Muitas vezes, as pessoas perfeccionistas são baseadas no “8 ou 80”. Ou seja, ou é quente, ou é frio. Ou é branco, ou é preto. Isso pode ser muito desgastante, especialmente nos estudos. Às vezes, o meio termo (como uma nota média) pode significar mais coisas positivas do que se “sacrificar” pela nota mais alta.
  • Delegue algumas tarefas em trabalhos em grupo: Quando há trabalhos em grupo, fuja da ideia de querer comandar e fazer tudo sozinho. Delegue funções! Ensine! Ajude! Mas jamais queira fazer tudo.
  • Não crie expectativas irreais sobre algo ou os outros: Cuidado com as expectativas que você tem criado sobre as coisas. Quando perceber que está muito ansioso por um resultado, lembre-se de considerar as coisas “negativas” que podem acontecer e prepare-se para elas.
  • “Feito é melhor do que perfeito”: Para concluir, comece a mentalizar a ideia do ditado que diz “antes feito do que perfeito”, afinal, assim você conseguirá finalizar as suas tarefas mais rapidamente, diminuindo a procrastinação e a busca inatingível por perfeição.
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.