Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Avalie o Texto.

Opinião pública: História e definição para você estudar

Conceito é sempre citado em provas diversas

A opinião pública é o agregado de atitudes ou crenças individuais sobre um determinado tópico ou questão sustentada por uma proporção significativa da população total. Em 1961, o cientista político americano VO Key destacou a importância da opinião pública na política ao defini-la como “as opiniões mantidas por pessoas privadas que os governos consideram prudente dar atenção”.

À medida que a análise de dados demográficos e estatísticos assistida por computador avançou durante os anos 1990, a opinião pública passou a ser entendida como a visão coletiva de uma porção mais especificamente definida da população, como um dado demográfico específico ou grupo étnico.

Embora comumente considerada em termos de sua influência na política e nas eleições, a opinião pública também é uma força em outras áreas, como moda, cultura popular, artes, publicidade e gastos do consumidor.

História

Embora não haja nenhuma referência específica ao termo até o século 18, a história antiga está salpicada de fenômenos que se assemelham muito à opinião pública. Por exemplo, as histórias da antiga Babilônia e da Assíria referem-se à influência das atitudes populares.

Os profetas e patriarcas do antigo Israel e Samaria eram conhecidos por tentar influenciar a opinião do povo. Ao referir-se à clássica democracia direta da antiga Atenas, o influente filósofo Aristóteles afirmou que “aquele que perde o apoio do povo não é mais um rei”.

Durante a Idade Média, a maioria das pessoas comuns concentrava-se mais em sobreviver a pragas e fomes do que em questões de estado e política. No entanto, fenômenos semelhantes à opinião pública existiram.

Em 1191, por exemplo, o estadista inglês William Longchamp, bispo de Ely, foi atacado por seus oponentes políticos por empregar trovadores para cantar seus méritos, a ponto de “as pessoas falavam dele como se seu igual não existisse na terra”.

No final do início da Renascença, o interesse pelos assuntos públicos crescia continuamente à medida que a população leiga se tornava mais educada. Na Itália, a ascensão do humanismo deu origem a um grupo de escritores cujas habilidades foram especialmente úteis para príncipes que esperavam expandir seus domínios.

Por exemplo, o rei Carlos V da Espanha contratou o escritor italiano Pietro Aretino para difamar, ameaçar ou bajular seus rivais. Um contemporâneo de Aretino, o influente filósofo político italiano Niccolò Machiavelli, enfatizou que os príncipes deveriam prestar muita atenção à opinião popular, particularmente no que diz respeito à distribuição de cargos públicos.

Os séculos 17 e 18 trouxeram meios mais sofisticados de distribuição de informações. Os primeiros jornais regularmente publicados surgiram por volta de 1600 e se multiplicaram rapidamente, apesar de muitas vezes estarem sujeitos à censura do governo. O final do século 18 finalmente mostrou o imenso poder da opinião pública.

Tanto a Revolução Americana de 1765 a 1783 quanto a Revolução Francesa de 1789 a 1799 foram inspiradas em grande medida por expressões da opinião pública. Em ambos os casos, a capacidade espontânea da opinião pública de dominar uma das instituições mais bem entrincheiradas e poderosas da época – a monarquia – aumentou enormemente as fileiras de seus devotos.

À medida que as teorias das classes sociais evoluíram durante o século 19, alguns estudiosos concluíram que a opinião pública era principalmente o domínio das classes altas. Em 1849, o autor inglês William A. Mackinnon definiu-o como “aquele sentimento sobre qualquer assunto que é nutrido pelas pessoas mais bem informadas, mais inteligentes e mais morais da comunidade”.

Notavelmente, Mackinnon também distinguiu a opinião pública do “clamor público”, que ele descreveu como “aquele tipo de sentimento que surge das paixões de uma multidão agindo sem consideração; ou uma empolgação criada entre os ignorantes. ”

Durante o final do século 19 e o início do século 20, renomados estudiosos sociais e políticos consideraram as realidades e os efeitos da opinião pública. Em 1945, o filósofo alemão Georg Wilhelm Friedrich Hegel escreveu:

“A opinião pública contém todos os tipos de falsidade e verdade, mas é preciso ser um grande homem para encontrar a verdade nela”. Hegel advertiu ainda que “o homem que não tem bom senso o suficiente para desprezar a opinião pública expressa em fofocas nunca fará nada de grande”.

Não deixe de ler também: Participação política: o conceito que influencia políticas públicas

Avalie o Texto.

Veja o que é sucesso na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.