Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Avalie o Texto.

Mulher deverá receber indenização por queda de sacada

A 16ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) manteve integralmente a sentença do juízo de primeira instância que condenou a Recanto do Paraíso Sítio Régis a indenizar em R$ 8 mil uma mulher que teve diversos ferimentos depois que a sacada do prédio em que ela estava desabou.

A vítima participava de um evento no local, quando a estrutura se rompeu e ela caiu de uma altura de três metros. 

De acordo com os autos do processo, a estrutura desabou quando a mulher se apoiou na sacada. Em função da queda, ela teve fraturas na cabeça e no braço esquerdo, além de contusão no joelho. 

Condenação

No juízo de primeira instância, o juiz ressaltou que o acidente aconteceu por “ausência de solidez e de segurança adequada dos instrumentos de proteção existentes nas sacadas do prédio”. 

Por essa razão, a Recanto do Paraíso Sítio Régis, proprietária do local do evento, foi condenada a indenizar a vítima em R$8 mil, por danos morais.

Apelação Cível

Entretanto, diante da condenação pelo juízo de primeiro grau, a empresa recorreu da decisão alegando que os acontecimentos não foram capazes de gerar dano moral e, por isso, a condenação deveria ser afastada. 

Responsabilidade objetiva

O desembargador Otávio Portes, relator do recurso no Tribunal,  reiterou o entendimento de que a estrutura não ofereceu a segurança esperada e a falha causou lesões graves à vítima. Dessa forma, o magistrado manteve a condenação à proprietária do local.

“Inequívoco que o acidente ocorrido na varanda, durante o evento organizado pela parte apelante, gerando uma série de lesões físicas à parte autora, configura fato do serviço em decorrência de vício de qualidade por insegurança. Portanto, resta configurada a responsabilidade objetiva da parte ré (proprietária do imóvel)”.

Indenização

No que diz respeito ao valor da indenização, o relator entendeu que a quantia de R$8 mil era suficiente para reparar os abalos sofridos pela mulher.

Também participaram da sessão de julgamento, os desembargadores Pedro Aleixo e Ramom Tácio que  acompanharam o voto do relator.

Fonte: TJMG

Veja mais informações e notícias sobre o mundo jurídico AQUI

Avalie o Texto.
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.