Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Moeda digital brasileira avança na pauta do Banco Central (BC)

O Real Digital é o novo projeto de moeda digital em que o Banco Central está trabalhando, onde pretende dar maior eficiência às transações financeiras. A decisão está sendo influenciada pelo avanço do ambiente digital e onde o BC vê com bons olhos a criação de uma moeda digital para o país.

Para abordar o tema, uma série de webinars está tratando do assunto, como a palavra Potenciais do formato real digital. Este é o primeiro encontro dos setes previstos para acontecer durante o segundo semestre, que também contou com a participação do professor Robert Townsend, envolvido diretamente no projeto do dólar digital.

Utilidade de uma moeda digital comparado a criptomoedas

Para uma melhor compreensão sobre o tema, a autoridade monetária esclarece que as moedas digitais são bastante diferentes em comparação às criptomoedas. Fabio Araujo, coordenador dos trabalhos da moeda digital, fez uma boa explicação do projeto em que o BC está trabalhando.

Para Fabio Araujo, criptoativos como o Bitcoin não detém as características de uma moeda, mas sim de um ativo digital. Para o Banco Central a falta de regulamentação dos ativos digitais acaba tornando o investimento em criptomoedas muito arriscado.

A CBDC seria uma nova forma de representação da moeda e já emitida pela autoridade monetária nacional. Por fazer parte da emissão da política monetária nacional, ela conta com garantia. Robert Townsend destacou em sua palestra seguir a mesma linha. “O papel do banco público vai além do lucro e abrange o bem-estar da sociedade como um todo”, disse o professor do MIT.

A CBDC também serve como uma alternativa para substituir o papel moeda, podendo ter moedas estáveis com o apoio da moeda bancária, garantindo que o dinheiro é real. Para Robert, tanto o dinheiro público como também o dinheiro privado podem coexistir em um mesmo ambiente.

O professor entende que algumas regras precisam ser seguidas pelos Bancos Centrais a fim de planejar um sistema financeiro com rastreamento, criptografia, computação e privacidade.

Detalhes sobre infraestrutura

O Professor da Escola de Negócios da Fundação Getúlio Vargas, Eduardo Diniz explicou que alguns processos precisam ser observados para a “construção da parte técnica” da moeda digital brasileira.

Ele explica que quando se tem uma moeda em papel, a Casa da Moeda constrói um papel físico. Há toda uma infraestrutura técnica que envolve o entorno da moeda, desde máquinas, tintas e impressoras.

No momento em que um sistema migra para o outro, se mantém a estrutura lógica do “sistema de pagamento”, onde o BC tem todas as regras sobre o controle do funcionamento do sistema de pagamento.

O Banco Central não tem planos de substituir o real por uma moeda digital, sendo que o Real Digital tem vários planos positivos pela autoridade monetária: unidade de conta, reserva de valor, meio de pagamento e por fim pensar em uma maior digitalização da nossa economia e sociedade, que aos poucos evolui nesse sentido.

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Acesse www.pensarcursos.com.br
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.