Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Avalie o Texto.

Inca integra projeto para estimular igualdade de gênero nas ciências

O Instituto Nacional do Câncer (Inca) irá integrar um grupo internacional que tem como objetivo promover e estimular a igualdade de gênero nas instituições de ciência, tecnologia, ensino superior e pesquisa.

Nesse sentido, o Instituto vai desenvolver em parceria com as universidades de São Paulo (USP) e de Birmingham, na Inglaterra, políticas e práticas que visam aumentar a atuação das mulheres nesses espaços que promovem pesquisa científica. O desenvolvimento do projeto será ao longo deste ano.

A iniciativa é do British Council, que desenvolveu o projeto. Desse modo, o edital do British Council selecionou 15 projetos para receber o financiamento da organização Mulheres na Ciência: Chamada de Parcerias pela Igualdade de Gênero do Reino Unido-Brasil.

British Council selecionou projeto de pesquisadoras do Inca

Entre os projetos selecionados está o das pesquisadoras do Inca Mariana Boroni, Mariana Emerenciano e Patricia Possik. 

Nesta terça-feira (11), Mariana Boroni afirmou à Agência Brasil há cerca de um ano o grupo de pesquisadoras vem pensando em ações para diminuir a desigualdade de gênero nas ciências. Elas viram no processo seletivo uma oportunidade para colocar as ideias em prática.

Desse modo, as pesquisadoras poderão desenvolver o programa para promover a equidade de gênero, ‘no caso da mulher na ciência’. Boroni afirmou ainda que o primeiro passo será avaliar os problemas para depois pensar em estratégias de resolução dentro do projeto:

“A ideia é tentar mapear os principais problemas de desigualdade de gênero nessas instituições, aprender com instituições parceiras, como a Universidade de Birmingham, que já tem um programa montado para equidade de gênero”.

As pesquisadoras querem aplicar as ações no Inca. De acordo com Boroni, o objetivo é “ter um ambiente mais igualitário, mais equitativo, onde a participação das mulheres seja maior, mais relevante, mais reconhecida”.

Além disso, o grupo irá promover seminários e encontros para debater o tema. De acordo com Boroni, o primeiro seminário acontecerá em fevereiro deste ano. Veja mais detalhes no site do British Council.

Com informações da Agência Brasil.

E aí? Gostou do texto? Então deixe aqui o seu comentário!

Leia também Enem 2021: primeiro dia de reaplicação registra abstenção de 67%; veja detalhes.

Avalie o Texto.
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.