Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

4/5 - (3 votes)

Governo responde sobre volta do auxílio emergencial em 2022

O Ministro da Cidadania, João Roma, comentou nesta semana sobre uma possível volta do Auxílio Emergencial em 2022. De acordo com ele, não há nenhuma previsão de retorno do benefício. Ele disse isso em entrevista para o jornal Correio. Essa declaração acontece em um momento em que muitas pessoas estavam pedindo pelo retorno do programa.

Acontece que pelo menos em três ocasiões no ano passado, o Ministro da Economia, Paulo Guedes, chegou a falar o contrário. De acordo com o chefe da pasta econômica, o Auxílio Emergencial poderia sim voltar. Como condição, ele disse que a pandemia teria que voltar a ter números ruins novamente. Aí sim o Governo teria que retomar os pagamentos.

A pandemia vem apresentando uma grande piora nos últimos dias, de acordo com dados de secretarias de saúde de várias unidades da federação, o número de novas contaminações e de hospitalizações por causa da variante ômicron vem aumentando diariamente. Então diante desse cenário, muita gente pensou que o Auxílio Emergencial poderia voltar.

Mas não é isso o que vai acontecer de fato. Na entrevista em questão, o Ministro da Cidadania disse que não há qualquer previsão de retorno desses pagamentos. Ele argumentou que o Governo Federal já estaria pagando uma série de benefícios para a população neste exato momento.

Na oportunidade, o Ministro citou, por exemplo, o aumento no número de beneficiários no Auxílio Brasil que cresceu de 14,5 para 17,5 milhões e na Tarifa Social de Energia Elétrica, que subiu de 11 milhões para 23 milhões de atendidos. Em tempo, lembrou ainda o vale-gás, novo programa social que deve atender cerca de 5,4 milhões de pessoas neste mês.

Números insuficientes

Todos esse número apontados pelo Ministro da Cidadania são verdadeiros. O próprio Ministério os confirma. Mas é preciso entender também que mesmo com esses aumentos, o patamar não vai ser suficiente para atender todo mundo que precisa.

De acordo com declarações anteriores do próprio Ministro da Cidadania, o número de pessoas que ficaram sem nenhum tipo de ajuda do Governo Federal é de 25 milhões de indivíduos. Apenas 3 milhões de vagas do novo Bolsa Família foram abertas.

Ministro prometeu

Quando deu essa declaração, o Ministro disse que o Governo estava ciente dessa informação e que eles estariam se movimentando para conseguir criar um novo projeto ou algum tipo de nova ajuda para essas pessoas.

O Auxílio Emergencial chegou ao fim e o Governo não criou até agora nenhum tipo de amparo para a grande maioria dessas pessoas. Agora, o Ministro diz que não há mais a necessidade de retorno do programa porque os atuais já seriam suficientes.

Auxílio Brasil é o foco

Toda essa declaração do Ministro João Roma não é em vão. De acordo com informações de bastidores, membros do Governo Federal definiram que o foco é mesmo o Auxílio Brasil. Programa que começou seus pagamentos ainda em novembro.

Agora em janeiro, o projeto vai ganhar a sua forma turbinada. De acordo com o Ministério da Cidadania, cerca de 17,5 milhões de pessoas irão receber o benefício. Ninguém, ainda segundo eles, vai receber menos do que R$ 400.

4/5 - (3 votes)
3 Comentários
  1. Celso Henrique conceição Diz

    Eu tem direito

  2. isaurina dos Santos Araujo Diz

    eu isaurina dos Santos Araujo

  3. Saulo Pelicioni Diz

    O porque o governo não deu um salario permanente aos cuidadores de deficientes(acamados), pois estes nao podem trabalhar, tão como as mães solteiras e os pais solteiros, os cuidadores (parentes proximos) passam por apertos financeiros, e o.governo federal não da a minima a eles, as maes solteiras tem a creche e outros meios para fazerem.um bico os cuidadores não tem o mesmo, pois eles nao podem se ausentar para trabalhar e se manter dignamente, é ai Ministro da Cidadania é um caso para o pensar.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.