Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Repasse de R$ 200 milhões é anunciado pelo MEC

O Ministério da Educação (MEC) anunciou na última sexta-feira (03) o repasse de R$ 200 milhões para institutos e universidades federais.

Antonio Paulo Vogel, secretário-executivo do MEC e atualmente responsável pelo Ministério, que segue sem ministro, anunciou repasse de verba na educação. Segundo Vogel, os recursos deverão ser direcionados para segurança, redução de despesas futuras e tecnologia.

Na segurança, a verba deverá ser voltada para ações de combate a incêndios e pânico, bem como acessibilidade e vigilância com monitoramento. Já para a redução de despesas futuras, os institutos e universidades deverão investir em placas de energia solar fotovoltaica e na retomada de obras inacabadas. Por fim, devem também investir em equipamentos de tecnologia de comunicação e informação.

Desse modo, o repasse de R$ 200 milhões dependerá do projeto selecionado, assim, as instituições e universidades poderão recebem entre R$ 800 mil e R$ 4 milhões.

Além do repasse de R$ 200 milhões, o MEC anunciou também aumento do orçamento da Embrapii (Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial) com o objetivo de fomentar a inovação no país e aumentar o diálogo produtivo entre as instiuições. Desse modo,  o orçamento que é atualmente de R$ 28 milhões, irá para  para o valor de R$ 50 milhões.

Nesse sentido, Wagner Vilas Boas, que atua como secretário de Educação Superior do MEC, afirmou que “A ideia é que a universidade sirva cada vez mais ao setor produtivo”. Nesse sentido, boa parte da verba vem no setor empresarial.

Ainda sem ministro

Após pedido de demissão do ex-ministro Abraham Weintraub no dia 18 de junho, o Ministério da Educação ficou sem ministro.

O professor Carlos Alberto Decotelli da Silva chegou a ser nomeado por Jair Bolsonaro, mas o primeiro entregou pedido de demissão antes mesmo da cerimônia de posse do cargo, após ser pressionado por graves inconsistências em seu currículo apontadas pela mídia.

Desse modo, Bolsonaro teria escolhido Renato Feder para ser seu novo ministro na última sexta-feira (03), contudo, a nomeação de Feder ainda não foi realizada.

Fonte: Uol.

Este artigo foi útil para você? Então deixe seu comentário.
Para mais notícias sobre o MEC clique aqui.

Leia Também:

brasil 123  

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Obrigado por se cadastrar nas Push Notifications!

Quais os assuntos do seu interesse?