Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

E-commerce tem aumento nas vendas e faturamento no ano de 2021

O e-commerce no Brasil, teve um aumento de 13,05% nas vendas e de 24,15% no rendimento, isso levando em conta o primeiro semestre de 2021. Porém, se forem comparados os meses de junho e maio ocorreu uma queda de 1,02%.

A comparação mensal sobre o aumento na utilização do e-commerce foi realizada por estados, sendo que o Sul foi o estado que obteve maior alta de 2,88%, a Centro-Oeste apresentou queda de 0,97%, na região Nordeste foi de 1,59%, na Sudeste de 1,69% e por fim na Norte de 3,43%. Esses dados foram constatados pelo índice MCC-ENET.

Dados do estudo comprovam que do mês de abril ao mês de junho de 2021, 18,5% dos usuários de internet do Brasil realizaram pelo menos uma compra de maneira online. Sendo assim, pode-se perceber uma alteração de 1,3% se comparado ao trimestre anterior, quando o número foi de 17,2% dos internautas. Já em 2020, quando o número foi de 10,2% a variação observada é de 8,4%.

Áreas tiveram maior crescimento nas vendas no e-commerce

No mês de maio deste ano, o comércio eletrônico correspondeu a 11,9% da área de comércio varejista restrito. No total, no último ano a atuação acumulada do e-commerce no varejo foi correspondente a 10,9%. O resultado apresentado veio de dados da Pesquisa Mensal do Comércio do IBGE.

Na área de utensílios e materiais para escritório, e também na de informática e comunicação, cerca de 43,2% de todas as compras decorreram do e-commerce, ou seja, de vendas online. Na categoria de móveis e eletrodomésticos, cerca de 27,6% das compras foram feitas de maneira digital.

Em seguida está a categoria de produtos farmacêuticos, médicos, ortopédicos de perfumaria e cosméticos, com 7,3% das compras feitas pela internet. Os produtos de uso pessoal e doméstico vêm logo atrás com um aumento de 5,3% nas vendas online.

A categoria supermercado, alimentos, bebidas e fumo teve um crescimento de 3,4% nas compras realizadas com comércio eletrônico e por fim os livros jornais, revistas e papelaria que tiveram um aumento de 2,5%.

Pandemia e o e-commerce

O e-commerce ou comércio eletrônico já vem ganhando espaço no mercado a um bom tempo, pois realizar compras de forma online é fácil, simples e seguro na maior parte das vezes. No entanto, com a chegada da pandemia e com todas as mudanças no estilo de vida que ela trouxe, o ganho de espaço do e-commerce sofreu um aumento de ritmo significativo.

O principal fator responsável por esse crescimento acelerado é o isolamento social. Com mais gente em casa, e limitados a sair para comprar coisas do dia-a-dia, o comércio eletrônico se tornou uma opção ainda mais viável e importante para a população que agora cada vez mais precisa solicitar o recebimento pela internet de produtos diretamente em casa.

Além disso, o aumento também se deve aos comércios tradicionais que foram obrigados a se inovar para continuar com as portas abertas durante a pandemia. Uma boa parte dos negócios que antes não trabalhavam com vendas online estão sendo obrigados a aderir ao e-commerce ou realizar apenas entregas, por exemplo.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.