Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Corrupção na Saúde: deputado Luis Miranda fala em esquema “muito maior”

O deputado Luis Miranda (DEM-DF) declarou neste domingo (27) que o esquema de corrupção no Ministério da Saúde pode ser “muito maior” que apenas o caso da vacina indiana, a Covaxin.

A compra da vacina, pelo maior preço já pago pelo Brasil, é alvo de investigação da Comissão Especial de Inquérito (CPI) da Covid-19.

Outras irregularidades também foram encontradas na compra, como o prazo de negociação rápido, além das empresas envolvidas.

O parlamentar deu entrevista a Folha de S.Paulo e afirmou que seu irmão, Luis Ricardo Miranda, ainda aponta possível compra “100% fraudulenta” em testes para Covid-19.

“Se existir algo realmente ilegal, não é só nessa vacina [Covaxin], é na pasta toda. O presidente [Jair Bolsonaro] demonstra claramente que não tem controle sobre essa pasta. Tem muita coisa que dá pra puxar e investigar, e descobrir algo em outra situação que vai ligar diretamente com a Covaxin. É o mesmo grupo [de pessoas dentro do ministério]”, pontuo.

E continuou: “Pelo que vejo aqui, é procedimento totalmente usando a Opas [Organização Pan-Americana de Saúde] para fazer a jogada, com dinheiro do Banco Mundial. Querem fazer uma compra gigantesca, altamente desnecessária”, prosseguiu.

Denúncia de corrupção

Luis Miranda ainda comentou seu encontro com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), no dia 20 de março. “É como se a pasta [Ministério da Saúde] tivesse um dono, e não o presidente da República. É como se aquele ambiente ali não pertencesse a ele. Ele não conhecia o caso”, relatou na entrevista.

Mesmo assim, conforme informações da BBC News, a Polícia Federal declarou não ter qualquer inquérito para investigação da vacina. A abertura de investigação na PF foi uma das promessas que o presidente teria feito ao deputado na época.

O valor do contrato da compra da vacina indiada pela Saúde chega a R$ 1,6 bilhão. Ao todo três empresas estão envolvidas, sem contar o governo.

Veja o caso completo e os problemas no contrato clicando aqui. Revelações são surpreendentes.

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.