Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Conta de luz: bandeira vermelha será mantida no mês de agosto

A Agência Nacional de Energia Elétrica – Aneel informou que a bandeira vermelha, patamar 2, será mantida durante o mês de agosto, aumentando o valor da conta de luz. O custo de cada 100 kilowatt-hora (kWh) é de R$ 9,492.

A Aneel ainda informou que não houve mudanças no cenário hidrológico no Brasil, portanto os reservatórios nacionais de usinas hidrelétricas ainda sofrem com o período de seca. Desse modo, estão sendo utilizadas fontes de energias mais caras.

Agosto inicia-se com igual perspectiva hidrológica, com os principais reservatórios do SIN [Sistema Interligado Nacional] em níveis consideravelmente baixos para essa época do ano. Essa conjuntura sinaliza horizonte com reduzida capacidade de produção hidrelétrica e necessidade de acionamento máximo dos recursos termelétricos”, informou a Aneel.

Entenda as bandeiras tarifárias

Desde 2015, a Agência Nacional de Energia Elétrica – ANEEL, utiliza o Sistema de Bandeiras Tarifárias. Nesse sistema, existem três modalidades divididas por cores, sendo elas: verde, amarela e vermelha. Cada bandeira identifica se haverá ou não acréscimo na tarifa de energia. Entenda mais sobre cada bandeira:

  • Bandeira verde: Indica condições favoráveis de geração de energia. Desta forma, a conta de energia não sofre acréscimo algum;

  • Bandeira amarela: Segundo a Aneel, essa modalidade apresenta condições de geração menos favoráveis do que a modalidade anterior. Sendo assim, a tarifa sofre um acréscimo de R$ 0,01874 para cada quilowatt-hora (kWh) consumido;

  • Bandeira vermelha – Patamar 1: Essa bandeira tarifária indica condições mais custosas de geração de energia. Sendo assim, a tarifa sofre um acréscimo de R$ 0,03971 por quilowatt-hora kWh consumido.

  • Bandeira vermelha – Patamar 2: Essa modalidade indica condições ainda mais custosas de geração de energia no país. A tarifa sofre, portanto, um acréscimo de R$ 0,09492 para cada quilowatt-hora kWh consumido.

As mudanças podem ocorrer por conta de diferentes condições de geração de eletricidade ao longo do mês. Hoje, o Brasil tem capacidade para produzir energia elétrica por meio de seis diferentes fontes de energia. Essas fontes podem ser hidrelétrica, térmica a gás natural, térmica a biomassa, térmica a carvão mineral, eólica ou solar fotovoltaica.

É importante lembrar que cada fonte de energia requer custos diferentes de manutenção e transporte. Portanto, a tarifa na conta de luz pode aumentar ou diminuir de acordo com a fonte de energia utilizada.

Aumento na conta de luz

Esse é o terceiro mês consecutivo em que a bandeira vermelha, patamar 2 precisa ser acionada. Isso ocorre por conta do aumento dos custos de geração de energia, ocasionados pelo período de seca. De acordo com a Aneel, a quantidade de água das bacias hidrográficas nacionais passa por uma situação extremamente crítica.

Por conta dos baixos índices dos reservatórios nacionais, o governo autorizou o maior uso de usinas termelétricas com o intuito de garantir o abastecimento do país. Contudo, a energia gerada por termelétricas é mais cara por utilizar combustíveis durante o processo. O Ministério de Minas e Energia (MME) ainda afirmou que o uso dessas usinas deve custar cerca de R$ 13,1 bilhões até novembro de 2021.

Além disso, a Aneel realizou um reajuste na tarifa da bandeira vermelha patamar 2, aumentando o valor da conta de luz. O aumento aprovado pela agência reguladora em junho foi de 52%.

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Acesse www.pensarcursos.com.br
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.