Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Conta de luz: governo eleva previsão de térmicas em R$ 4 bi e você vai pagar

Você sabia que a conta de luz pode ficar ainda mais cara? Isso porque o governo elevou a provisão de uso das termelétricas de R$ 9 bilhões para R$ 13,1 bilhões.

Os novos valores fazem parte de levantamento da ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico), e foram revistos para o período de janeiro a novembro de 2021.

O que pode encarecer a conta de luz é que a previsão de valores é 45% maior do que foi previsto antes.

Com isso a alteração de valores deve ser repassada para você – consumidor final da energia elétrica.

“O custo adicional de despacho termelétrico esperado até novembro aumentou em razão das medidas de flexibilização adotadas, que têm permitido o maior armazenamento de água nos reservatórios e, por consequência, a maior utilização de termelétricas para atendimento à demanda do sistema”, afirmaram o ministério e a Câmara de Comercialização ao G1.

Conta de luz: hidrelétricas e termelétricas, qual a diferença?

A diferença entra a geração de energia pelas hidrelétricas e termelétricas é basicamente a matéria prima, o que afeta diretamente o custo na conta de luz.

Enquanto as hidrelétricas têm como principal fonte a água, como o próprio nome supõe, as termelétricas atuam com a produção de energia por meio da queima de combustíveis – o que encarece o processo.

Este preço a mais é repassado na conta de luz.

Porque não usar só as hidrelétricas, que tem custo mais baixo?

Um questionamento lógico diante da diferença de preços na geração de energia poderia ser: por que não optar apenas pelas hidrelétricas?  A conta não é tão simples.

O problema é que não há como optar apenas pelas hidrelétricas, mais baratas na geração de energia e consequentemente na conta luz.

Isso acontece porque os principais reservatórios de água, para geração de energia elétrica no Brasil, estão em níveis baixos. A crise hídrica é uma realidade histórica no Brasil.

Para se ter uma ideia, a ONS estima que os reservatórios de água usados cheguem a pouco mais de 10% da sua capacidade. Este é o menor número em 20 anos.

Com os reservatórios em níveis baixos, a produção de 100% da energia elétrica para o Brasil só com as hidrelétricas torna-se inviável.

Logo, é inevitável não utilizar as termelétricas.

Para equilibrar o custo da geração de energia x valor na conta de luz, existem as bandeiras tarifárias.

Mesmo assim, elas ainda têm se apresentando como insuficientes, de acordo com os agentes envolvidos. Saiba mais do que está acontecendo clicando aqui. 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.