Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Comércio de produtos usados teve um crescimento de 48,58%

De acordo com um levantamento realizado pelo Sebrae, a abertura de estabelecimentos que comercializam produtos de segunda mão teve um crescimento de 48,58% entre o primeiro semestre de 2020 e 2021. O levantamento no comércio foi feito a partir da base de dados da Receita Federal.

O Sebrae ainda informou que no primeiro semestre de 2021, foram abertas 2.104 empresas no segmento. Do número total, 1.875 são microempreendedores individuais (MEI) e 229 são comércios de pequeno porte. “Esse incremento na abertura de novos negócios no comércio de itens usados, verificado entre os seis primeiros meses de 2020 e 2021, é o maior em seis anos”, declarou o Sebrae.

Venda de produtos usados é um importante aliado da sustentabilidade

Além dos consumidores estarem mais cautelosos durante a pandemia de Covid-19, o gerente de competitividade do Sebrae, Cesar Rissete, acredita que a conscientização em relação à sustentabilidade também vem interferindo nesse aumento.

“A pandemia teve uma tendência de acelerar alguns movimentos que são importantes para esse segmento. A renda faz com que as pessoas comparem o produto usado com o produto novo. Mas tem um outro fator, também, importante que é a questão da sustentabilidade. Muitas pessoas acabam não querendo descartar o seu produto usado de forma inadequada” disse.

De acordo com o relatório Second Hand Effect, pontuado em uma cartilha sobre comércio de produtos de segunda mão feita pelo Sebrae, somente na OLX foi evitada a emissão de 5,7 milhões de toneladas de CO?. Esse número representa as emissões anuais de 1,2 milhão de carros.

Além disso, segundo um estudo realizado pelo Thred Up, a compra de roupas usadas prolonga a vida útil da peça em mais dois anos. Isso equivale a redução de 73% na emissão de carbono e do uso de água durante a produção.

Comércio de produtos usados

Para o Sebrae, antes que os empreendedores decidam investir no comércio de produtos de segunda mão, é importante que se conheça um pouco mais sobre esse mercado. Hoje, a venda de produtos usados pode ser feita tanto por lojas físicas quanto por lojas online.

Além dos produtos de segunda mão vendidos com as características originais, ou seja, sem modificações, existem produtos que podem passar por um processo de upcycling. Esse processo ocorre quando a versão original do produto é melhorada, podendo se transformar em novos artigos, muitas vezes com uma maior qualidade e valor.

Segundo o Sebrae, o comércio de produtos usados ainda permite maior flexibilidade na hora de fazer negociações para compra e venda, bem como negociação de permutas, trocas ou vendas sob consignação.

Apesar disso, os empreendedores do ramo enfrentam algumas dificuldades para comprovar aos clientes que os itens estão em perfeitas condições. Isso ocorre porque alguns clientes possuem receio em comprar produtos de segunda mão danificados ou muito desgastados.

É essencial que os empreendedores do comércio de segunda mão se dediquem com a divulgação dos seus produtos. Ademais, é importante ter certeza da procedência do seu produto, para não causar nenhuma situação constrangedora com os clientes em potencial e prejudicar o negócio.

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Acesse www.pensarcursos.com.br
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.