Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Chave Pix: 4 golpes mais aplicados por criminosos

Mais de 181,8 milhões de chaves Pix foram cadastradas até fevereiro de 2021. Neste cenário, 275,3 milhões de transações foram realizadas e R$ 197,7 bilhões foram movimentados. Se o êxito é visto como algo positivo pelo mercado, por outro lado nem tudo são flores. Criminosos tem se aproveitado de “armadilhas virtuais” para aplicar golpes.

Isso não significa que a chave Pix não é segura, mas que é preciso ficar atento para novos golpes que possam surgir, já que os criminosos tentam se aproveitar deste momento a todo custo.

Cabe ao usuário se informar e conhecer os 4 golpes mais aplicados.  O levantamento foi realizado pelo Estadão.

Veja abaixo:

Chave Pix e golpes: 

 

1.Golpe da clonagem do Whatsapp

Os criminosos tentam ser passar por uma empresa ou instituição na qual o usuário tem algum cadastro, compra ou contato. Neste caso, é solicitado o “código de segurança” do WhatsApp, como uma maneira de confirmar algum serviço ou a identidade.

Com a informação do código de segurança, os criminosos então clonam o WhatsApp da vítima e começam a pedir dinheiro emprestado para os contatos por meio da chave PIx.

Neste caso é importante ficar atento e não passar os seu código de segurança em hipóteses alguma. Veja também como ativar a verificação em duas etapas – um importante mecanismo para evitar a clonagem do seu WhatsApp.

2. Golpe de engenharia social com WhatsApp

Este tipo de golpe é um pouco mais simples, mas demonstra como nossos dados são frágeis. O criminoso cria outra conta no WhatsApp, com outro número, porém com sua foto e tenta se passar por você. Para explicar a troca de número, diversas são as possíveis desculpas, uma delas é dizer que a vítima foi roubada.

Com a conta falsa, o golpista consegue os números dos seus contatos e entra em contato se passando por você. Uma possibilidade é que o criminoso tenha acesso a dados vazados, outra é coletar o número de celular dos seus contatos pelo facebook.

“A Febraban alerta que é preciso ter muito cuidado com a exposição de dados em redes sociais, como, por exemplo, em sorteios e promoções que pedem o número de telefone do usuário”, explica a instituição.

3 – Golpe do falso funcionário de banco e das falsas centrais telefônicas

Os criminosos entram em contato via telefone, email ou mensagem e se passam por funcionários de bancos e pedem a confirmação de dados da chave Pix.

“O cadastro é feito dentro do ambiente virtual do seu banco ou carteira digital. E quando você cadastra, tem uma validação em duas etapas, ou seja, vai a confirmação para o seu email. Além disso, essas transferências são feitas pelos aplicativos das instituições, nunca fora deles”, Fernanda Garibaldi, head da área de Fintech e Meios de Pagamento do Felsberg Advogados.

4 – Golpe do bug da chave Pix 

Alegando “bug” no sistema do Pix, criminosos alegam que qualquer valor depositado em determinada conta, volta em dobro para quem transferiu pelo PIX.

O que na realidade não acontece. Na realidade, a vítima transfere o dinheiro para chave Pix informada pelos criminosos e não recebe nenhum dinheiro de volta, quanto mais em dobro. O usuário que faz tal transferência na verdade só perde dinheiro e é enganado pelos criminosos.

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Acesse www.pensarcursos.com.br
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.