ChatGPT: Ferramenta de inteligência artificial não é boa para identificar plágio (Entenda!)

Chatbot tem apresentado algumas falhas

Especialistas em tecnologia afirmam que o ChatGPT, ferramenta de Inteligência Artificial (IA) da OpenAI não é muito boa para identificar plágio de trabalhos escolares. Segundo eles, o chatbot foi desenvolvido para responder perguntas e conversar com seus usuários e não para encontrar semelhanças entre textos.

Todavia, o ChatGPT foi lançado em novembro de 2022, e foi notícia em todo o mundo, tanto nas redes sociais quanto em noticiários, com várias pessoas apresentando a ferramenta como uma tecnologia inovadora. Sendo assim, há seis meses que o chatbot tem sido amplamente utilizado para trabalhos escolares.

Analogamente, a comunidade acadêmica percebeu a tecnologia como algo revolucionário. Porém, há um lado negativo relacionado à inteligência artificial que preocupa, devido a uma utilização do chatbot irresponsável. Depois desse período, tanto os professores quanto os alunos puderam observar algumas limitações.

Uma das limitações que podemos destacar, relacionadas ao chatbot, é que a ferramenta é inútil para corrigir e identificar plágios em trabalhos acadêmicos. São vários os casos em todo o mundo que comprovam essa limitação do ChatGPT, que acaba por se tornar, em algumas situações, uma ferramenta inútil.

Limitações do ChatGPT

Ademais, podemos citar um caso que aconteceu no Brasil recentemente. Uma usuária do Twitter contou em seu perfil que seu tio teve o seu TCC preterido pela banca orientadora, devido ao fato de que seu texto continha trechos plagiados de outros autores. Quem apontou a falha neste caso foi o robô do ChatGPT.

A banca examinadora utilizou a ferramenta de Inteligência Artificial da OpenAI para analisar o trabalho acadêmico e afirmou que fora ela quem tinha produzido todo o conteúdo. A usuária do Twitter afirmou que, quem escreveu o texto, em sua totalidade, na verdade, foi um humano. O corpo docente disse que foi o chatbot quem produziu o conteúdo.

De acordo com @carollingian, “Meu tio está terminando graduação e redigiu o TCC, enviou para o professor da banca, e a resposta foi: ‘O ChatGPT dedurou vocês de que esse texto é de autoria dele. Escreva com suas próprias palavras’. Meu tio está fazendo uma reunião com a banca para provar algo que não é de responsabilidade dele”.

A princípio, esse tipo de situação se tornou recorrente, com vários relatos disponibilizados nas redes sociais. Muitos estudantes afirmam que houve uma recusa de seus trabalhos por uma acusação de plágio, depois de uma análise de seus textos pela ferramenta de Inteligência Artificial do ChatGPT da OpenAI.

ChatGPT - Plágio de trabalhos acadêmicos
ChatGPT – Plágio de trabalhos acadêmicos/Fonte: pixabay

Plágio dos estudantes

Após seis meses do lançamento mundial do ChatGPT, no meio do ano há o fechamento do semestre da grande maioria dos estudantes. Atualmente, o corpo docente e os alunos não vão correr apenas para fechar o período de aulas, mas também para provar que os trabalhos acadêmicos são realmente de sua autoria.

Por conta dessas e outras situações, especialistas em tecnologia afirmam que utlilizar o ChatGPT para a detecção de plágio, pode apresentar inúmeros erros. Eles dizem que o desenvolvimento da Inteligência Artificial do chatbot serve para outras finalidades, como por exemplo, produzir conteúdos similares aos de um humano.

Dessa maneira, é conveniente ressaltar que a ferramenta utiliza o modelo amplo de linguagem (LMM). Ele se alimenta de uma base de dados da internet. Muitas pessoas pensam que a ferramenta, por essa razão, é capaz de detectar casos de plágio. Entretanto, o ChatGPT não atua apresentando um conjunto de textos existentes.

Em síntese, a Inteligência Artificial cria seus textos utilizando um algoritmo sofisticado, a partir de uma informação apresentada por seus usuários. O ChatGPT usa dados para complementar seus textos, apresentando uma sequência de palavras prováveis. Aliás, não se deve utilizá-los para procurar por assuntos na internet.

Ferramenta de Inteligência Artificial

Desse modo, o ChatGPT tem uma limitação relacionada a sua base de dados que utiliza informações até o ano de 2021. Ele não possui um maior desenvolvimento de sua memória recente. Há de fato, uma confusão com a criação de textos e o conteúdo que armazena. O Chatbot acaba por gerar um texto coerente, mas cheio de falhas.

Em conclusão, humanos podem ou não ter escrito os textos do ChatGPT. A Inteligência Artificial e seu modelo de linguagem reproduzem um conteúdo existente. Não se sabe ao certo as diferenças de um texto gerado por uma pessoa ou pelo chatbot, o que pode causar uma confusão.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.