Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Auxílio emergencial: Guedes afirma que governo terá “sensibilidade social”

Nesta quarta-feira (10), o ministro da Economia, Paulo Guedes, voltou a falar do orçamento deste ano. Desta vez, ele garantiu que o Congresso e o Executivo já estariam trabalhando acerca do orçamento. Ele também afirmou que “sensibilidade social” , sem declarar a data que o auxílio emergencial pode voltar, mas alertou também que é preciso “responsabilidade fiscal”.

Para o ministro, é necessário evitar empurrar eventuais gastos extras para futuras gerações. Não é a primeira vez, porém, que o auxílio emergencial, para socorrer trabalhadores afetados pela pandemia do covid-19, é colocado em pauta. Guedes tinha destacado que o benefício poderia voltar para metade dos beneficiários. Sem dizer, de fato, quem deveria receber.

Desta vez, Guedes declarou que o “em guerra” contra o Covid-19 e, por isso, precisa “arcar com os custos” da batalha.

“Se nós estamos em guerra com o vírus, nós temos que arcar com essa guerra. E não simplesmente empurrar irresponsavelmente esses custos para gerações futuras. Então esse compromisso de sensibilidade social de um lado e responsabilidade fiscal de outro é justamente marca de um congresso reformista, de um presidente determinado e das lideranças políticas construtivas que nós temos hoje no Brasil”, disse Guedes.

As declarações foram concedidas após reunião com a nova presidente da Comissão Mista de Orçamento, deputada Flávia Arruda (PL-DF), e com o relator do orçamento de 2021, senador Márcio Bittar (MDB-AC).

O senador além de ser relator do orçamento, tem a mesma função na chamada “PEC da emergência fiscal”. A proposta pretende tratar dos ajustes nas contas públicas.

Qual o valor que deve ser pago pela nova rodada do auxílio emergencial?

A nova rodada do auxílio emergencial deve pagar R$200 por mês, por mais 3 meses. Estima-se que 30 milhões de pessoas que não têm carteira assinada sejam comtempladas desta vez. As informações são do blog do Gerson Camarotti.

A prorrogação do benefício é defendida por Guedes, que avalia ser necessário um corte de gastos, principalmente para equilibrar a situação fiscal. Ele também menciona que é necessário evitar uma alta da dívida pública.  

Depois de negar a volta do auxílio emergencial, declarando que “não é aposentadoria”, Bolsonaro voltou atrás e afirmou nesta segunda-feira (08) que está negociando o benefício com parlamentares. No mesmo dia, ao lado de Bolsonaro, o recém-eleito presidente do senado,  Rodrigo Pacheco (DEM-MG), declarou “expectativa positiva” de um anúncio sobre o pagamento do auxílio ainda está semana.

 

“Estamos negociando com [os ministros] Onyx Lorenzoni [Cidadania], Paulo Guedes [Economia], Rogério Marinho [Desenvolvimento Regional], entre outros, a questão de um auxílio ao nosso povo, que está ainda em uma situação bastante complicada”, declarou Bolsonaro em cerimônia no Palácio do Planalto. As informações são do G1.

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Acesse www.pensarcursos.com.br
1 comentário
  1. Jean jabali calman Diz

    Boa noite Guedes EU não recebi auxílio 6 a 9 parcelas eu preciso pagar meu convenio médico mil reais eu tenho que pagar eles vão cortar EU preciso pagar até amanhã até agora eu não tenho nada na caixa tem

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.