Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Auxílio emergencial: Bolsonaro afirma que deve ser pago por ‘3 ou 4 meses’

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou nesta quinta-feira (11) que uma nova rodada do auxílio emergencial “está quase certa, ainda não sabemos o valor”, garantiu.  Ainda não está definido o número de parcelas, mas o parlamentar indicou que devem ser três ou quatro.

Por outro lado, mesmo com este anúncio a data para retomada do auxílio emergencial não foi informada. Mesmo assim, a declaração é positiva, já que o presidente chegou a negar qualquer extensão, com a alegação que o benefício não era aposentadoria. 

As informações fazer parte de entrevista concedida a TV Mirante, afiliada da TV Globo no Maranhão. As falas do presente ocorrerem após uma cerimônia de entrega de títulos de propriedade rural em Alcântara.

“Está quase certo, ainda não sabemos o valor. Com toda a certeza, a partir… com toda a certeza, pode não ser a partir de março. Três a quatro meses, está sendo acertado com o Executivo e o Parlamento também porque temos que ter responsabilidade fiscal”, prometeu Bolsonaro.

Auxílio emergencial e disputas internas

A possível retomada do auxílio emergencial não é fruto do caso, pelo contrário. Anteriormente Bolsonaro já tinha criticado e negado a extensão do benefício, agora decidiu voltar atrás.

A renovação do benefício foi motivo de queda de braço, principalmente por conta da segunda onda da Covid-19 no Brasil.  Arthur Lira (PP), presidente da Câmara, e Rodrigo Pacheco (DEM), presidente do Senado, tem articulado para o retorno do benefício.

Neste cenário, o aumento de casos da Covid-19, devem atrasar ainda mais a recuperação da economia e também do mercado de trabalho. Outro importante destaque é o levantamento do consórcio de veículos de imprensa, houve aumento na média móvel de mortes pela Covid -19 em vários estados neste quinta.

Ainda não há nada definido quando o retorno, parcelas e valor do auxílio emergencial. O que se sabe até agora, é que a questão fiscal é uma preocupação de parlamentares e também do mercado.

“O auxílio emergencial custa caro para o Brasil, é um endividamento enorme para o Brasil. […] Agora, não basta apenas conceder apenas mais um período de auxílio emergencial, o comércio tem que voltar a funcionar. Tem que acabar com essa história de “fecha tudo”, devemos cuidar dos idosos que tem mais comorbidades, o resto tem que trabalhar”, afirmou Bolsonaro.

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Acesse www.pensarcursos.com.br
1 comentário
  1. Neusa Maria Santos da Silva. Diz

    Meu deus estamos esperando o décimo terceiro salário. Pra fevereiro. Pelo amor de deus presidente. Da esse mês o décimo terceiro salário. Por favor.tenho contas.apagar .

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.