Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

3/5 - (4 votes)

Auxílio Brasil turbinado não é suficiente para comprar uma cesta básica

De acordo com os dados mais recentes, nem mesmo o Auxílio turbinado de R$ 400 é suficiente para comprar cesta básica

O Governo Federal começou neste mês de dezembro o tão aguardado pagamento turbinado do Auxílio Brasil. De acordo com o Ministério da Cidadania, ninguém está recebendo menos do que R$ 400 neste mês de dezembro. E estamos falando de algo em torno de 14,5 milhões de usuários neste primeiro momento.

Só que esse patamar elevado ainda não é suficiente para ajudar a colocar comida dentro de casa. É que de acordo com as informações oficiais, com esse valor turbinado ainda não dá para comprar uma cesta básica em nenhuma das capitais que divulgam os seus dados em conjunto com o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE).

De acordo com essas informações, a capital do país que teve a cesta básica mais barata em novembro foi Aracaju, em Sergipe. Por lá, um cidadão precisa desembolsar R$ 464,17 em média para conseguir se alimentar minimamente bem durante um mês. Como dito, o valor mínimo do Auxílio Brasil chegou a R$ 400.

A situação de Aracaju é a mais tranquila dentre todas as capitais que divulgam os seus números. Em novembro, ainda de acordo com o DIEESE, a capital com o valor mais alto da cesta básica no Brasil foi Florianópolis. Por lá, o item está custando algo em torno de R$ 700, 69. É o que se sabe.

Então para um cidadão de Santa Catarina se alimentar bem durante o mês, ele teria que ganhar quase dois Auxílios Brasil por mês. Cidades como São Paulo e Rio de Janeiro, que são duas das mais populosas do país, também registram índices acima dos R$ 600. Pelo menos essa é a realidade do momento.

Aumentos constantes

O que chama atenção nesses dados do DIEESE é que estamos falando de aumentos constantes na cesta básica. Entre outubro e novembro, por exemplo, todas as capitais que registram dados identificaram um aumento do item.

Isso tudo quer dizer que o ato de se alimentar está ficando cada vez mas caro no Brasil. Nas redes sociais, muitos usuários estão dizendo que vai ser preciso escolher entre pagar a comida ou o botijão de gás neste momento.

Questão da inflação

Em uma primeira vista, a questão da inflação pode parecer um assunto complicado para muita gente. No entanto, é muito importante aprender quais são os seus efeitos para saber até que lugar o seu Auxílio Brasil pode chegar.

Com o aumento da inflação nos últimos meses, os produtos estão cada vez mais caros para o consumidor. Então por mais que o Governo Federal aumente o valor do Auxílio Brasil, o poder de compra do brasileiro está ficando cada vez menor.

Preocupação para o próximo ano do Auxílio

Nesse sentido, vale dizer que há uma grande preocupação com o que pode acontecer com o país no próximo ano. É que as previsões de futuro da inflação não são as melhores analisando em um curto prazo.

Isso quer dizer que se o Governo não criar novos projetos sociais, a situação das pessoas que estão em vulnerabilidade pode ficar ainda pior. Isso porque tudo vai acabar ficando ainda mais caro, e o Auxílio Brasil não vai mais aumentar.

3/5 - (4 votes)

Veja o que é sucesso na Internet:

3 Comentários
  1. Isabel Boaventura dos Santos Diz

    Quem não recebeu a sétima parcela do auxílio emergencial e não fez contestação por não ter um celular compatível, e não teve ajuda da assistência social, há alguma esperança em receber?

  2. Sueli Diz

    No app não fala q vou receber 400r e sim 102r,tudo isso é uma grande mentira,q o mínimo é 400r. E tudo está aumentando absurdamente. Deveriam ter vergonha de falar mentiras.

  3. Vannessa Diz

    Meu auxílio saiu 149 nao da pra compra nem o basico

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.