Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Atualidades: Prós e contras da monocultura

Entenda sobre o assunto para estudar

A monocultura tem suas origens na Revolução Verde dos anos 1950 e 1960, que (apesar do nome) começou com a introdução de fertilizantes químicos e pesticidas, o desenvolvimento de novos grãos de cereais de alto rendimento e o uso crescente de grandes máquinas agrícolas como como tratores e sistemas de irrigação.

A Revolução Verde resultou em uma redução dos custos trabalhistas, a duplicação da produção de grãos, mais do que o dobro da população mundial e um Prêmio Nobel da Paz para seu principal proponente, Norman Borlaug, por tirar milhões de pessoas da pobreza e criar alimentos autossuficiência para nações como México e Índia.

No entanto, dobrar a produção de alimentos por meio da monocultura na mesma quantidade de terra resulta no esgotamento do solo de seus micronutrientes – deixando o solo que alimenta as pessoas de fome – um fator limitante no aumento da produtividade à medida que a população mundial continua a crescer.

Perda de diversidade em alimentos e cultura

Embora a maior biodiversidade do planeta exista nos locais com os níveis mais elevados de diversidade humana, a monocultura reduz a diversidade cultural.

Com sua economia de escala, a monocultura significa menos fazendas familiares e maiores encargos financeiros para as que permanecem, resultando na perda de várias culturas locais em todo o mundo.

Esse declínio na diversidade é acompanhado por uma perda da diversidade alimentar.

Por exemplo, as fazendas industriais de peixes na Gâmbia, país da África Ocidental, poluíram os rios e os oceanos, destruíram os estoques de peixes selvagens e privaram as comunidades pesqueiras locais de seus meios de subsistência e os gambianos de seus principais alimentos.

Em todo o mundo, mais de 50% da dieta humana é composta de apenas três safras – arroz, milho e trigo – levando a desequilíbrios dietéticos e desnutrição.

Apesar de sua promessa, a monocultura não resolveu o problema da insegurança alimentar, pois a fome mundial continua aumentando.

Monocultura e mudança climática

Embora a monocultura possa levar a maiores rendimentos agrícolas, ela requer insumos anuais de fertilizantes químicos para neutralizar o esgotamento do solo, mas essas aplicações químicas (acompanhadas por aragem anual usando maquinário pesado) quebram as relações biológicas dentro dos solos que são necessárias para o crescimento saudável das plantas.

Fertilizantes químicos e irrigação desnecessária podem levar ao escoamento que polui os cursos d’água e danifica os ecossistemas.

Como uma paisagem menos diversa atrai uma variedade menor de pássaros e insetos benéficos, a monocultura também torna mais difícil o combate a pragas e doenças prejudiciais e aumenta a necessidade de pesticidas e fungicidas químicos.

A monocultura não apenas contribui para a mudança climática; também torna mais difícil para os sistemas agrícolas se adaptarem a ela, deixando-os mais suscetíveis a secas, pragas, condições climáticas extremas, infestações de pragas e espécies invasoras.

E então, gostou de saber mais sobre monocultura?

Não deixe de ler também – Atualidades: Principais prejuízos causados pela expansão urbana

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Acesse www.pensarcursos.com.br
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.