Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Avalie o Texto.

Adicional Noturno vs Gratificação de Função ao Salário

É entendimento pacificado do Tribunal Superior do Trabalho (TST) que o adicional noturno não se incorpora ao salário do empregado.

Além disso, o TST também entende que a gratificação de função se incorpora após 10 anos de exercício, ante o princípio da estabilidade financeira.

Com efeito, embora o empregado seja reversível à função anterior, seu salário não pode baixar.

Todavia, a Reforma Trabalhista (Lei 13.467/17) estabeleceu que a gratificação de função não se incorpora ao salário independente do tempo decorrido.

Diante dessas controvérsias, o adicional noturno e a gratificação de função se incorporam ao salário do empregado após o decurso de longo período contratual?

É sobre isso que trataremos no presente artigo.

 

Adicional Noturno

Pode-se definir o adicional noturno como parcela contraprestativa suplementar devida ao empregado pelo exercício de suas funções no período que a lei define como noite.

Isto porque a circunstância “noturna” é considerada prejudicial ao ser humano.

Com efeito, a CLT dispõe em seu art. 73, caput e §§1º e 2º que a noite vai das 22h de um dia às 05h do dia seguinte.

Outrossim, determina que o parâmetro de cálculo do adicional é 20% sobre a hora diurna para cada hora noturna, estabelecendo ainda que a hora noturna é reduzida para 52 minutos e 30 segundos.

De outro lado, no âmbito rural o adicional é de 25%, não havendo previsão legal de hora reduzida, conforme Lei 5.889/73.

Os adicionais se distinguem de outras parcelas salariais por diversos motivos.

Dentre eles, ressalta-se os efeitos psicossociais negativos, na medida em que o trabalhador noturno tem menor integração comunitária, interação social e convivência familiar.

Ademais, há um agravante significativo decorrente do desajuste cronobiológico do sono de quem trabalha à noite e dorme de dia.

Diante disso, a doutrina majoritária entende que o adicional noturno se presta a remunerar o esforço extra necessário para desempenhar o trabalho.

Portanto, trata-se de verba remuneratória por fatos danosos, diante das circunstâncias que tornam o trabalho noturno mais desgastante.

Conclui-se, assim, que enquanto o trabalhador exerce suas atividades em período noturno ele faz jus à verba e ela possui natureza salarial para todos os efeitos.

todavia, referida natureza salarial não obsta que ela seja suprimida tão logo cesse o labor noturno, o que seria determinado a critério do empregador.

Gratificação de Função

A gratificação de função é devida ao empregado que exerce uma função de confiança a exemplo de indivíduos que possuem poderes de organização interna, como os gerentes.

Destarte, são requisitos para configuração do cargo de confiança era necessário possuir:

  1. função e poderes elevados de gestão até o nível de chefe de departamento ou filial; e
  2. distinção remuneratória no patamar de 40% do salário do cargo efetivo.

Com efeito, no caso da gratificação de função, o motivo relevante que enseja o pagamento é o exercício de uma função cara ao empregador, que traz maior responsabilidade e geralmente está associada à direção de pessoas.

Vale dizer, a gratificação visa remunerar o esforço extra despendido pelo empregado para exercer a função de confiança.

Assim, também teria natureza salarial para todos os fins enquanto houvesse o exercício, mas também seria removível a critério do empregador, bastando tão somente reverter o empregado à função anterior.

 

Gratificação vs Adicional

Conforme verificado, a gratificação de função e o adicional noturno possuem fundamentos diferentes: o adicional se funda no impacto biopsicossocial, ao passo em que o adicional baseia-se no exercício de função de confiança.

Todavia, ambos possuem o mesmo objetivo de remunerar o esforço extra de um empregado submetido a circunstâncias mais desgastantes que o normal.

Ademais, ambos os institutos se incluem na categoria jurídica denominada salário-condição.

Vale dizer, aquele que é pago mediante a presença de determinada circunstância e suprimido com o desaparecimento da mesma.

Outrossim, enquanto verbas salariais ambas se incorporam ao salário após longo período e se a gratificação permanece não há motivo para que o adicional não permaneça também.

Diante do exposto, conclui-se que o adicional noturno e da gratificação de função não são idênticos, apesar de possuírem inúmeras similaridades.

Em que pese se enquadrem em uma categoria jurídica comum denominada salário-condição, a passagem do tempo possui a capacidade de incorporar ao salário de modo definitivo tanto a gratificação de função quanto o adicional noturno.

Destarte, ainda que seja lícito ao empregador remover o empregado da função ou colocá-lo em período diurno, após determinado lapso temporal, não poderá suprimir tais verbas.

Avalie o Texto.

Veja o que é sucesso na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.