Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

5/5 - (3 votes)

WhatsApp vai liberar dinheiro de volta via aplicativo; veja

O mensageiro deu início ao teste do recurso de reembolso em transferências via WhatsApp Pay.

O aplicativo WhatsApp deu início aos testes de uma nova função que vai conceder cashback aos usuários que realizam pagamento pelo aplicativo. Índica, o maior mercado do serviço de bate-papo, está sendo responsável pela avaliação do novo serviço.

Veja também: Política de privacidade do WhatsApp é alterada; veja o que muda

O mensageiro deu início ao teste do recurso de reembolso em transferências via WhatsApp Pay. De acordo com o WABetaInfo, portal especializado no mensageiro, os valores que estão sendo devolvidos variam entre 1 e 51 rúpias indianas (cerca de R$ 0,10 a R$ 3,90) em até cinco transações para contatos diferentes.

Até o momento, o valor mínimo para a transferência não foi definido. Assim, basta transferir o dinheiro para ganhar o bônus. É importante  que a devolução da quantia só é válida para transações realizadas por UPI (Unified Payments Interface), sistema de pagamentos instantâneos indiano semelhante ao PIX brasileiro.

Devido há alguma limitação, não é possível incluir uma conta e nem usar o cashback caso o telefone seja de fora do território indiano no período de experimentação. Além disso, sem um comunicado oficial do Facebook/Meta, não há como saber se o recurso será liberado para todos os usuários da plataforma.

Contudo, devido à falta de informação, não há previsão para que o serviço chegue no Brasil, ao menos para o período de testes na versão besta do WhatsApp. A Meta deve aguardar as avaliações já em andamento para liberar aos outros públicos.

Whatsapp pode ser bloqueado com a recusa de termos 

Recentemente, havia uma expectativa para que o Whatsapp bloqueasse ou limitasse funcionalidades da conta de usuários que não aceitassem a nova política de privacidade. No entanto, o aplicativo de mensagens mais utilizado do Brasil voltou atrás em sua decisão de bloquear ou limitar essa função.

Dessa forma, aqueles que não aceitaram os “Termos de Serviço”, continuarão utilizando as ferramentas da plataforma. Além disso, as eventuais punições para quem rejeitou os critérios do aplicativo foram suspensas.

Entretanto, de acordo com as últimas divulgações do site WABetaInfo, o não cumprimento da obrigatoriedade em aceitar as condições de privacidade do WhatsApp pode comprometer as contas de perfis empresariais do aplicativo.

Considerando as informações, as contas profissionais que usarem provedores de nuvem do Facebook não receberão mensagens de usuários que não aceitarem os novos termos de adesão. A medida pode impactar negativamente muitas instituições que utilizam o mensageiro com recorrência, como o SAC.

Logo, recusar ter os dados compartilhados com o Facebook pode reduzir o acesso dos usuários em suas contas comerciais.

O que diz o Whatsapp

O WhatsApp informou que seguirá orientando os seus usuários a aceitarem a atualização, inclusive, quando forem utilizar algumas funcionalidades opcionais, como a de se comunicar “com uma empresa que esteja recebendo o suporte do Facebook”.

“A publicação do WhatsApp Beta Info diz que o WhatsApp está trabalhando em ferramentas para cumprir tais promessas e garantir que deixará qualquer pessoa, que ainda não tenha realizado o aceite, faça isso quando quiser usar um recurso relacionado à atualização em questão pela primeira vez”, diz o portal especializado do aplicativo.

Contudo, segundo a companhia, a informações publicada pelo WABetaInfo não procedem ao dizer que o WhatsApp está planejando se pronunciar sobre o assunto, pois, até o momento não existe nenhuma novidade sobre o caso. Neste sentido, resta aguardar o próximo anuncio da empresa acerca da situação.

5/5 - (3 votes)

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

1 comentário
  1. Elaine Diz

    Vai ser mais um meio dos ladrões atacarem o povo?

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.