VITÓRIA: Aneel propõe redução de quase 40% no valor da taxa EXTRA da conta de luz

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) está analisando uma proposta para reduzir o valor das taxas extras cobradas na conta de luz, que são destinadas ao financiamento do uso de usinas térmicas. Essa proposta está sendo discutida em uma consulta pública e tem como objetivo aliviar o bolso dos consumidores.

Bandeiras Tarifárias e a Crise Hídrica

As bandeiras tarifárias são um mecanismo utilizado pela Aneel para indicar o custo da geração de energia elétrica. Elas são acionadas quando há necessidade de acionar usinas termelétricas devido ao baixo nível dos reservatórios das hidrelétricas. No entanto, devido ao elevado nível dos reservatórios neste ano, as bandeiras tarifárias não devem ser acionadas.

Desde abril de 2022, está em vigor a bandeira verde, que não representa cobrança adicional na conta de luz. Essa medida foi adotada devido ao aumento da oferta de energia hidráulica e à redução dos custos dos combustíveis das usinas térmicas.

A Proposta da Aneel

A proposta da Aneel é reduzir as taxas das bandeiras tarifárias, caso elas sejam acionadas no futuro. A ideia é diminuir a taxa da bandeira amarela em 36,9%, passando de R$ 2,98 para R$ 1,98 a cada 100 kWh consumidos. Já a taxa da bandeira vermelha poderia ser reduzida em 31,3%, passando de R$ 6,50 para R$ 4,46 a cada 100 kWh. E a taxa da bandeira vermelha nível 2, que é acionada em casos de secas mais severas, poderia ter uma redução de 18,6%, passando de R$ 9,79 para R$ 7,87 a cada 100 kWh.

Essa proposta reflete a queda dos custos dos combustíveis das usinas térmicas, o aumento da oferta de energia hidráulica e a suspensão de alguns contratos de usinas termelétricas emergenciais fechados durante a crise hídrica de 2021.

Tabela: Como Ficaria a Taxa Extra para Cada Bandeira

Bandeira Valor Atual (por 100 kWh) Valor Proposto (por 100 kWh) Variação (%)
Vermelha nível 2 R$ 9,79 R$ 7,87 -18,16%
Vermelha R$ 6,50 R$ 4,46 -31,3%
Amarela R$ 2,98 R$ 1,98 -36,9%

É importante ressaltar que essa proposta ainda está em análise e passará por uma consulta pública para receber contribuições do mercado antes de ser avaliada pela diretoria da Aneel. A expectativa é que as bandeiras tarifárias não sejam necessárias ao menos até o início do próximo período seco, devido ao bom nível dos reservatórios das hidrelétricas.

Nível dos Reservatórios

Segundo o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), os reservatórios das regiões Sudeste e Centro-Oeste, que são os principais responsáveis pela geração de energia elétrica do país, devem terminar o mês de agosto em um dos melhores níveis da série histórica iniciada em 2000. A projeção é que o nível das águas nessas regiões esteja em torno de 79,7% no final do mês.

Além de custear as usinas térmicas, as bandeiras tarifárias têm o objetivo de sinalizar ao consumidor que há escassez de energia, incentivando a economia no consumo.

Mudanças na Metodologia de Acionamento das Bandeiras

A área técnica da Aneel também está propondo mudanças na metodologia de acionamento das bandeiras tarifárias. A ideia é permitir que elas sejam acionadas quando o Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE) decidir intervir no mix de energia gerado no país.

Atualmente, o acionamento das bandeiras segue uma escala que considera os volumes de energia térmica acionados pelo ONS. Com essa proposta, o acionamento será decidido com base nas análises do CMSE, levando em conta a necessidade de equilibrar a matriz energética e garantir a segurança do sistema elétrico.

Essas mudanças visam aprimorar o sistema de bandeiras tarifárias, tornando-o mais eficiente e alinhado com as necessidades do setor elétrico.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.