Veja qual é a melhor chave Pix para evitar cair em golpes digitais

O Pix, sistema de transferências bancárias instantâneas, foi lançado pelo Banco Central em 2020, revolucionando a forma com que os brasileiros realizam pagamentos. No entanto, com a inovação também veio um problema, pois os criminosos passaram a utilizar a ferramenta para diversos tipos de golpes.

Nesse sentido, apesar de todas serem seguras, existem algumas chaves Pix que são melhores que outras em determinadas situações e, inclusive, algumas são mais recomendadas para a segurança e privacidade dos dados pessoais do usuário, ajudando a evitar golpes.

Confira a seguir quais são as opções de chaves Pix que estão disponíveis atualmente:

  • CPF ou CNPJ: esta opção permite que empresas cadastrem o Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) ou que um indivíduo cadastre seu Cadastro de Pessoa Física (CPF) como chave;
  • E-mail: o usuário pode cadastrar qualquer e-mail como sua chave Pix;
  • Número de celular: também existe a possibilidade de vincular um número de celular com DDD a uma conta bancária como chave;
  • Chave aleatória: o sistema do Pix cria automaticamente uma sequência aleatória de números e letras para servir como chave.

Qual a melhor chave Pix para evitar golpes?

O CPF é uma ótima opção de chave Pix no sentido de que é única no país para cada usuário, também sendo um número já memorizado, na maioria dos casos. Da mesma maneira, o CNPJ oferece a vantagem de passar mais segurança aos clientes no momento de uma compra feita em algum estabelecimento comercial.

No entanto, estas duas opções de chave Pix permitem a identificação do usuário, seja ele uma empresa ou um indivíduo. Sendo assim, esses números de identificação podem ser utilizados por criminosos para aplicação de golpes de falsificação ideológica.

Veja qual é a melhor chave Pix para evitar cair em golpes digitais
Veja qual é a melhor chave Pix para evitar cair em golpes digitais Imagem: Reprodução

Já a chave que utiliza o e-mail também traz grande praticidade ao cadastro, com a possibilidade de registrar diversos endereços eletrônicos. Mas, por outro lado, o usuário deve ficar atento às alterações que podem ocorrer nesses e-mails, e caso perca acesso de algum deles, o recomendado é excluir a chave Pix que estava vinculada.

O número de celular é uma das opções mais utilizadas pelos brasileiros para vincular a uma conta bancária, com intuito de realizar transferências instantâneas. Segundo dados do Banco Central, 20,98% de todas as chaves Pix do país são cadastradas nesta modalidade.

Entretanto, assim como no caso do CPF/CNPJ, o número de celular permite uma certa identificação do usuário, sendo que criminosos podem enviar mensagens para o número via WhatsApp, por exemplo, na tentativa de aplicar golpes. Além disso, da mesma maneira que a chave com e-mail, o usuário deve ficar atento às mudanças no número de celular.

Por fim, a chave Pix aleatória oferece a maior privacidade dos dados do usuário, tendo em vista que não compartilha nenhum dado pessoal. Ela é a mais recomendada para transferências instantâneas recebidas de desconhecidos.

Banco Central publica novas regras

O Banco Central publicou uma resolução nesta terça-feira (26), impondo novas obrigações para as instituições financeiras que oferecem o Pix. A medida busca aumentar a segurança da ferramenta de pagamentos instantâneos, fortalecendo a proteção dos dados dos clientes.

De acordo com as mudanças, as instituições financeiras agora estão obrigadas a notificar seus clientes sobre qualquer vazamento ou incidente de segurança envolvendo as chaves Pix, independentemente de serem as causadoras desses incidentes ou da gravidade dos mesmos.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.