SURPRESA sobre o SALÁRIO MÍNIMO dos brasileiros: você precisa saber disso

O salário dos brasileiros, em média, por mês, cresceu 7,1% ano passado se comparado com 2021. O valor recebido alcançou mais do que duas vezes o salário-mínimo, segundo informações do IBGE na Pnad Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua).

O resultado, obviamente, considera o piso de 2022, que era de R$ 1.212,00. O cálculo da média do salário dos brasileiros, como você verá na matéria desta segunda-feira (23) do Notícias Concursos, considera os rendimentos habituais. Isso significa o valor que empregados, autônomos e empregadores recebem por mês, sem descontos ou acréscimos.

Qual foi o salário dos brasileiros, em média, em 2022?

SURPRESA sobre o SALÁRIO DOS BRASILEIROS: você precisa saber disso
SURPRESA sobre o SALÁRIO DOS BRASILEIROS: você precisa saber disso – Canva

Durante o ano, essa média chegou a alcançar R$ 2.787,00 contra os R$ 2.601,00 de 2021. Entre os cidadãos que mais ganharam nos 12 últimos meses, estão aqueles que são autônomos, com a média de aumento de 10,7%.

Ressaltando que o apontamento do Dieese no último estudo, foi de que o valor de R$ 6 mil acima é que deveria ser o piso nacional nos dias de hoje. Isso garantiria o básico da comodidade e subsistência das famílias.

O menor reajuste ficou para os trabalhadores assalariados, que já têm o rendimento baixo. Nesse caso, o percentual foi de 5,3%. Quem trabalha como doméstico teve a média de aumento de 6,6% entre os meses de novembro/2021 até novembro/2022.

A Pnad Contínua objetiva acompanhar flutuações trimestrais, bem como a evolução em curto, médio e também longo prazos. Além disso, conta com a força de trabalho, tal como outras informações que são necessárias para estudos de como anda o desenvolvimento socioeconômico do Brasil.

A pesquisa aponta resultados mensais, trimestrais, anuais, e outros durante o ano. Os indicadores do salário dos brasileiros liberados por mês, usam as informações dos três últimos meses consecutivos à pesquisa.

Aumento da renda dos trabalhadores

O reajuste salarial vinculado à inflação garante aos trabalhadores que não haja perda do seu poder aquisitivo. Na verdade, o consumo das famílias é um dos grandes motores da economia brasileira, e o governo federal tenta manter esse motor funcionando, ao menos da mesma maneira que funcionava no ano anterior, promovendo os reajustes do salário mínimo.

Contudo, o governo também pode dar um aumento real ao piso salarial nacional, acima da inflação. Neste caso, o cidadão terá uma renda mais elevada e, teoricamente, poderá adquirir mais itens que no ano anterior, uma vez que seu salário terá subido mais do que os preços dos bens e serviços no país.

Em suma, o termo inflação se refere justamente ao aumento contínuo e generalizado dos preços de bens e serviços. Quanto mais alta essa taxa estiver, mais difícil fica para a população manter os mesmos hábitos de consumo. E o resultado disso é um crescimento econômico mais fraco.

Em outras palavras, um reajuste mais expressivo do salário mínimo tende a ajudar milhões de famílias do país a aumentarem os seus hábitos de consumo. Por outro lado, os reajustes no piso nacional também afetam os valores dos benefícios do INSS, como pensões e aposentadorias, por exemplo, gerando ainda mais gastos para o governo.

Por isso que há tantos cálculos para definir qual o reajuste mais adequado em cada ano de governo. Ao trabalhador do país, resta aguardar por uma decisão, que só sairá em maio.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.