Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Produção industrial tem queda pelo 2º ano seguido

Não é de hoje que a produção industrial vem caindo no Brasil, nesta onda o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou dados negativos nesta terça-feira (2). De acordo com o instituto, a produção industrial encerrou o ano 2020 com uma queda de 4,5%. Ainda em 2019 o recuo foi de 1,1%, sendo considerado o pior resultado desde 2016.

Por outro lado, nos últimos oito meses de 2020 a produção industrial apresentou números positivos, porém, isso não foi suficiente para repor a queda acumulada no decorrer do ano.

“É claro que há uma melhora da produção industrial, mas ainda há muito espaço para ela crescer e não é em função das perdas provocadas pela pandemia, inclusive porque este é o segundo ano seguido de queda. É algo que vem de anos”, enfatizou o gerente da pesquisa, André Macedo.

A queda na produção aconteceu em todas as categorias analisadas pelo IBGE, o que significar um recou em todo o setor industrial do país. Ainda é possível destacar que a produção automotiva teve importante peso no resultado geral, sendo a principal responsável pelos números negativos divulgados. 

Confira o resultado para cada uma das quatro categorias analisadas:

  • Bens duráveis: -19,8%
  • Bens de capital: -9,8%
  • Bens de consumo: -8.9%
  • Bens intermediários: -1,1%

Como é possível perceber, a maior queda foi registrada no setor de bens duráveis – o que também engloba a fabricação de automóveis.

Para se ter uma ideia, o recuo da fabricação de automóveis chegou a quase 35% no ano. 

Já levando em consideração somente o segmento de veículos automotores, reboques e carrocerias, o resultado negativo foi de 28,1%.

O gerente da pesquisa também afirmou que a categoria de bens de capital também tem influência da produção de veículos.

“Ambas têm a dinâmica de produção muito associada à indústria de automotores. No caso da primeira, com influência dos automóveis, como os carros, e no caso da segunda, os equipamentos de transporte, como caminhões”, revelou.

Já o segmento de veículos automotores, reboques e carrocerias teve alta anual de 1.308,1% na produção nos últimos oito meses, liquidando  a perda de 92,3% registrada no período de março e abril de 2020. O resultado, porém, não garantiu um resultado anual positivo.

Os resultados negativos foram observados em 20 dos 26 ramos, 53 dos 79 grupos e 60,6% dos 805 produtos pesquisados.

Veja alguns resultados abaixo sobre o fechamento industrial em 2020: 

  • Produtos do fumo (+10,1%)
  • Derivados do petróleo e biocombustível (+4,4%)
  • Produtos alimentícios (+4,2%)
  • Perfumaria e produtos de limpeza (+2,7%)
  • Farmoquímicos e farmacêuticos (+2%)
  • Papel e produção de papel (1,3%)
  • Bebidas (-0,2%)
  • Produtos de metal (-0,2%)
  • Produtos de madeira (-0,5%)
  • Outros produtos químicos (-0,5%)
  • Equipamentos de informática eletrônicos e ópticos (-1,6%)
  • Produtos minerais não metálicos (-2,3%)
  • Produtos de borracha e plástico (-2,5%)
  • Máquinas e materiais elétricos (-4,2%)
  • Indústrias extrativas (-3,4%)
  • Móveis (-3,8%)
  • Máquinas e equipamentos (-4,2%)
  • Produtos têxteis (-6,6%)
  • Metalurgia (-7,2%)
  • Manutenção de máquinas e equipamentos (-16%)
  • Produtos diversos (-16,7%)
  • Couro art viagem e calçados (-18,8%)
  • Confecção de vestuários e acessórios (-23,7%)
  • Veículos automotores (28,1%)
  • Outros equipamentos de transporte (-29,1%)
  • Impressão e reprodução de gravações (-38%)

Produção Industrial em queda

A produção industrial vem diminuindo nos últimos 10 anos, seja por resultados negativos ou por crescimentos inferiores ao já registrado.

Por exemplo, em 2010 a produção chegou a subir 10,2%, nos anos sequentes nem metade deste resultado foi alcançado.

Veja o resultado da produção industrial por ano:

  • 2020 (-4,5%)
  • 2019 (-1,1%)
  • 2018 (+1%)
  • 2017 (+2,5%)
  • 2016 (-6,4%)
  • 2015 (-8,3%)
  • 2014 (-3%)
  • 2013 (+2,1%)
  • 2012 (-2,3%)
  • 2011 (+0,4%)
  • 2010  (+10,2%)

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Acesse www.pensarcursos.com.br
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.