Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Avalie o Texto.

Presidente da Caixa afirma que não haverá aumento de juros no crédito imobiliário

Na tarde da última quinta-feira (13), o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, concedeu entrevista à CNN. Durante a mesma, foi informado que o foco da Caixa é o crédito imobiliário e que não existem previsões de aumento nas taxas de juros deste tipo de negócio.

Segundo Pedro Guimarães, “Aquele aumento na taxa de juros que anunciamos uns meses atrás no crédito imobiliário, ele já refletia esse aumento esperado [na taxa de juros]. Nós olhamos a curva de juros futuro de 8 anos, e na verdade houve uma redução de mais de 1% nos últimos dois meses, e por consequência, nós não temos expectativa de aumento da taxa de juros”.

O presidente da Caixa Econômica Federal ainda antecipou que a instituição bateu recorde de financiamentos imobiliários e que o crescimento projetado para esta linha em 2022 é de cerca de 10%.

“Em 2020 e 2021 tivemos um recorde de crédito imobiliário, um recorde significativo, que vamos anunciar ainda com mais detalhes. E , mais do que isso, esperamos crescer em 2022 pelo menos 10% do crédito imobiliário”, afirmou o presidente da Caixa.

A inadimplência relacionada ao crédito imobiliário se manteve estável

Mesmo que o IPCA tenha sido maior que o esperado, não houve aumento significativo na inadimplência de clientes que solicitaram créditos que utilizam o índice. De acordo com o presidente do banco, “Não havia uma expectativa de aumento de IPCA nesse nível, mas sim, a inadimplência nessa linha aumentou um pouco, mas nada relevante”.

Ao comentar sobre a inadimplência, Guimarães afirmou: “Porque você tem a garantia do imóvel. Temos quase R $1,5 trilhão em imóveis [via garantia de crédito imobiliário]. Tentamos o máximo possível uma renegociação para o consumidor não perder o seu imóvel”.

Para o presidente da CEF, o crédito imobiliário é o foco do banco e a carteira de crédito deste segmento é a segunda com maior garantia, perdendo apenas para o crédito consignado. Hoje a instituição possui uma taxa de inadimplência próxima ao que tinha em 2019, mesmo após o impacto negativo que foi gerado pela pandemia no Brasil.

“Em 2020, enquanto todo mundo botou o pé no freio no crédito imobiliário, nós ampliamos. E isso foi muito importante, porque naquele momento teria desorganizado o setor. Foi muito acertado que demos pausas para 2,5 milhões de famílias. Naquele momento havia uma sensibilidade grande, porque tínhamos basicamente metade da nossa carteira pausada”, afirmou Guimarães.

“Hoje o retrato da carteira de crédito da Caixa é muito forte, saudável, e não vemos necessidade relevante de aumento de provisão. Pelo contrário, a operação de crédito imobiliário continua forte e nós vemos mais um ano de recorde. com demanda muito forte, em especial em relação a 2021 e 2020”, completou o presidente da Caixa.

Outras áreas de atuação da Caixa Econômica Federal

Outra área de atuação da Caixa Econômica Federal consiste no apoio às Micro e Pequenas empresas (MPE ‘s). Segundo ele, nessa linha, há a garantia pelo Pronampe e pelo Fampe.

O foco da Caixa não é apenas o crédito imobiliário, mas também as linhas de crédito para os estados e municípios que possuem garantia do Fundo de Participação dos Estados (FPE) e Municípios (FPM), além do Tesouro Nacional.

Avalie o Texto.
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.