Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Avalie o Texto.

Preço das passagens aéreas dispara nos últimos meses

De acordo com um levantamento feito pelo Kayak, comprador de passagens, exclusivo para a CNN, o preço das passagens aéreas disparou nos últimos meses e alguns destinos têm custado 91% mais caro. A alta no preço das passagens é motivada pelo aumento da demanda por conta do avanço da vacinação no país.

Em junho de 2021, a passagem aérea para São Paulo custava em média R$ 567, no mês de outubro o valor chegou a R$ 847, representando uma alta de 49%. O estudo feito para a CNN ainda constatou que Maceió foi o destino onde houve a maior alta no período, de R$ 953 em julho para R$ 1.586 em outubro, ou seja, um aumento de 91%.

Além da possibilidade de viajar com o avanço da vacinação contra o Covid-19, outros fatores têm influenciado na alta das passagens aéreas no país. Segundo a CNN, a alta no preço do querosene de aviação é um dos motivos para o preço das passagens estarem subindo tanto.

O setor do Turismo durante a pandemia de Covid-19

Durante o ano de 2020 o mundo todo enfrentou um novo desafio, o isolamento social necessário para conter a disseminação do Covid-19. Nesse período diversos setores da economia precisaram se adaptar ao “novo mundo”, contudo, o setor do Turismo acabou enfrentando um desafio gigante, onde aproximadamente 120 milhões de postos de trabalho foram ameaçados pelo mundo.

De acordo com o anuário disponibilizado pela Associação Brasileira das Operadoras de Turismo (Braztoa), a crise sanitária acabou reduzindo o PIB global de U$ 2 trilhões, ou seja, aproximadamente 2% do PIB mundial. Ademais, no ano de 2020, houve uma regressão das atividades do setor turístico a patamares de 30 anos atrás.

Segundo a Associação Brasileira das Operadoras de Turismo, por conta da pandemia houve uma redução de 74% das viagens internacionais. Esse número representa cerca de 1,15 bilhão de viagens.

Mesmo com o avanço da vacinação e a possibilidade de viajar em segurança, o setor ainda não conseguiu se recuperar e voltar para o patamar pré-pandemia. Isso tem ocorrido por conta da inflação e consequentemente a alta de passagens aéreas, que acaba prejudicando os consumidores na hora de viajar.

Veja a tendência para os próximos meses

De acordo com informações disponibilizadas pela Secretaria Nacional de Aviação Civil, a desvalorização do real em relação ao dólar, bem como a alta do petróleo no mundo, acaba afetando o Brasil. Desse modo, o valor das passagens aéreas têm subido e deve enfrentar uma grande temporada de passagens com o preço mais salgado. Além disso, o preço do querosene de aviação teve uma alta de 91,7% em relação ao ano de 2020.

A previsão do Índice de preços no consumidor (IPCA) é que a inflação continue nos mesmos patamares durante o ano de 2022. Sendo assim, é possível que as passagens aéreas fiquem ainda mais caras do que já estão. A Anac compartilha a mesma perspectiva e acredita que os valores das passagens devem atrapalhar os planos de quem deseja viajar.

Avalie o Texto.

Está "bombando" na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.