Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Preço da cesta básica cai em 9 capitais brasileiras em junho

No mês de junho, o custo da cesta básica caiu em nove das 17 capitais brasileiras que foram analisadas pela Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos. A pesquisa é feita pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Além disso, nas demais capitais analisadas pela pesquisa, o custo da cesta básica subiu.

Sendo assim, é possível perceber que mais da metade das capitais tiveram baixa no custo da cesta básica. As maiores altas foram registradas em Fortaleza (1,77%), Curitiba (1,59%) e Florianópolis (1,42%). Já as maiores quedas no preço ocorreram em Goiânia (-2,23%), São Paulo (-1,51%), Belo Horizonte (-1,49%) e Campo Grande (-1,43%).

Sendo assim, ainda no mês de junho, a cesta mais cara do país era a de Florianópolis, cidade em que o custo médio dos produtos que compõem a cesta chegavam a R$ 645,38. Em contrapartida, a cesta mais barata era a de Salvador, onde o custo médio era de R$ 467,30 em junho.

O preço dos alimentos da cesta básica aumentam conforme aumenta a inflação de alimentos no país. Sendo assim, a alta na inflação dos alimentos acaba influenciando na alta do preço da cesta, o que por sua vez, acaba consumindo mais rápido a renda dos brasileiros que consomem os produtos da cesta básica.

Aumento do custo da cesta básica nas capitais

Em relação ao primeiro semestre de 2021, dez capitais brasileiras acumularam aumentos no custo da cesta básica. Curitiba e Natal foram as capitais onde houve maior acúmulo, 14,47% e 9,03%, respectivamente. Outras capitais que acumularam aumentos foram Florianópolis, Porto Alegre, Vitória, Fortaleza, Belém, João Pessoa, Recife e Aracaju.

Em contrapartida, nas demais capitais, o custo da cesta básica teve redução no primeiro semestre. A maior baixa ficou na cidade de Belo Horizonte, com -6,42% no custo. Outras cidades em que houveram baixas foram Salvador, Goiânia, Campo Grande, São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília. O que demonstra controle da inflação de alimentos por algumas cidades.

Tendo os dados em vista, o Dieese estimou qual deveria ser o custo do salário mínimo, levando em consideração o custo da cesta mais cara em junho. Levando em consideração o custo da cesta básica de Florianópolis, o salário mínimo do país deveria ser equivalente a R$ 5.421,84, valor que corresponde a 4,93 vezes o piso nacional vigente, de R$ 1000,00.

Inflação de alimentos em alta

No mês de maio a inflação Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) ficou em 0,83%. Esse foi o maior resultado para um mês desde 1996, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Sendo assim, o aumento no índice reflete na alta do custo da cesta básica.

Ainda de acordo com o IBGE, desde o início da pandemia do novo coronavírus, o preço dos alimentos subiu 15% no país. O percentual representa quase o triplo da taxa oficial de inflação no período, que ficou em 5,20%. Deste modo, é importante que a inflação diminua, para que o preço dos alimentos e, consequentemente, da cesta básica diminua também no país.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.