Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Pix: definição, chaves e orientação para vítimas de golpes

Entenda a definição do Pix, o que são as chaves e qual é a orientação do Banco Central para as vítimas de golpes em nome da ferramenta. Confira!

O que é o Pix?

Conforme definição do Banco Central do Brasil, o Pix é o pagamento instantâneo brasileiro. O meio de pagamento criado pelo Banco Central (BC) em que os recursos são transferidos entre contas em poucos segundos, a qualquer hora ou dia. O Pix pode ser realizado a partir de uma conta corrente, conta poupança ou conta de pagamento pré-paga.

O que são as chaves Pix?

A chave de endereçamento é uma maneira de identificar uma conta. Sendo assim, os usuários poderão utilizar quatro tipos de chave:

  •   CPF ou CNPJ
  • Endereço do e-mail
  •   Número do telefone de celular
  •   Chave aleatória – composta por um conjunto aleatório de números, letras e símbolos. 

Conforme a regulamentação do Banco Central as transações podem ser feitas por chaves Pix previamente cadastradas.  No entanto, também é possível realizar uma transferência via Pix com os dados bancários, nome completo e CPF, como ocorre com as Teds e Docs. Além disso, é possível transferir valores e realizar pagamento via Pix através de QR Codes.

Cuidado com links falsos!

O BC ressalta que, para evitar golpes, é importante que o cliente tenha a certeza de que está acessando um dos canais autorizados pelo seu banco ou instituição. Por isso, não acesse links de sites falsos.

Qual é a orientação do Banco Central para a vítima de golpe em nome do Pix?

O BC ressalta que, em muitos casos, o golpe não está relacionado diretamente ao Pix. Ou seja, o Pix é apenas o meio de pagamento utilizado pela vítima para transferir o valor para o golpista, assim como vários outros meios já foram utilizados para essa finalidade de má fé. Se esse é o seu caso, o BC orienta a:

  • Registrar a ocorrência na polícia;
  • Entrar em contato com a sua instituição para informar o caso. Sua instituição poderá fazer a marcação da chave Pix e do CPF do golpista, para que novos golpes não sejam efetivados; e
  • Caso queira, entrar em contato com a instituição beneficiária do recurso (instituição onde o golpista tem a conta para onde você transferiu o dinheiro) para buscar esclarecimentos sobre o caso.

Todavia, o BC ressalta que caberá à instituição a análise do caso de fraude e o eventual ressarcimento, a exemplo do que ocorre hoje em fraudes bancárias. Se a fraude no âmbito do Pix for decorrente de falhas nos mecanismos de gerenciamento de riscos da instituição, esta deverá se responsabilizar pelo caso. Portanto, é importante ficar atento!

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Acesse www.pensarcursos.com.br
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.