Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Avalie o Texto.

Natal: vendas caem 1,8% em 2020

De acordo com o Índice Cielo do Varejo Ampliado (ICVA), o total de vendas do Natal deste ano caiu 1,8% em comparação a mesmo período do ano passado. Nesta pesquisa são consideradas as compras de varejo físico e virtual.

Por outro lado, o e-commerce registrou alta de 15,5% neste mesmo período. A princípio a  expectativa é que o resultado se deve ao isolamento indicado devido à pandemia do Covid-19.

O resultado da pesquisa também apontou que três regiões aumentaram suas vendas nas lojas físicas: Norte (12,2%); em sequência Centro-Oeste (2,7%) e Nordeste (0,2%).

Já as outras duas regiões Sudeste (-6,3%) e Sul (-0,8%) registraram quedas nas vendas, o que impulsionou o resultado negativo.

Veja os setores com maiores vendas:

  • Supermercados e hipermercados:18,8%
  • Móveis e eletrodomésticos: 18,5%
  • Materiais para construção: 18,4%
  • Livrarias, papelarias e afins:1,2%

Setores com maior diminuição de vendas:

  • Turismo e transporte:-43%,7%
  • Alimentação:-30,5%
  • Vestuário:-14,6%

O cenário de queda no comércio era esperado. Para se ter uma ideia, a intenção de compra do brasileiro para esta data registrou o menor índice dos últimos 14 anos. Os dados são do especial de Natal da Sondagem do Consumidor, divulgados pela FGV.

Black Friday também registra queda nas vendas

Após meses de recuperação, o varejo começou a cair ainda na Black Friday. Neste período foi registrado uma queda de 11%, em relação a novembro do ano passado, de acordo com o Índice Cielo do Varejo Ampliado (ICVA).

Todavia este índice interrompeu a recuperação registrada nos últimos sete meses (entre abril e outubro).

Em novembro todas as regiões do Brasil tiveram queda em suas vendas, como retração entre 10% e 3%.

Confira por região:

  • Nordeste -10,1
  • Sudeste -9,1%
  • Sul -8,8%
  • Centro-Oeste -6,6%
  • Norte -3,2%

A queda foi impulsionada pelos setores de: Varejo Alimentício Especializado e Supermercados e Hipermercados. Já os setores de Cosméticos e Higiene Pessoal, Drogarias e Farmácias apresentaram bons números.

“A queda do ritmo do Varejo aconteceu em todos os macrossetores, indicando uma piora geral no cenário. A desaceleração é observada mesmo desconsiderando os setores de Serviços, mais impactados pela pandemia. Esse comportamento também foi observado no desempenho da Black Friday que, apesar do forte crescimento das vendas online, teve queda de 8,4% no total, em comparação com o mesmo evento de 2019, influenciado pelas quedas das vendas nas lojas físicas”, destacou o superintendente executivo de Inteligência da Cielo, Gabriel Mariotto.

Por fim, o Índice Cielo do Varejo Ampliado (ICVA) traz um resultado mensal de acordo com 18 setores que fazem parte da pesquisa e são analisados pela Cielo. Participam do levantamento desde lojistas pequenos até grandes varejistas. “A unidade de Inteligência desenvolveu modelos matemáticos e estatísticos que foram aplicados à base da companhia”, de acordo com a Cielo.

Avalie o Texto.

Está "bombando" na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.