Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Ministro da Educação volta a defender o retorno das aulas presenciais em audiência no Senado

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, participou na manhã desta quinta-feira (1º) de uma audiência pública no Senado. Durante a audiência, o chefe do Ministério da Educação (MEC) voltou a defender o retorno das aulas presenciais com a reabertura das escolas.

De acordo com o ministro, os protocolos já conhecidos reduzem o risco de contágio nas escolas. Portanto, o retorno às salas de aula pode ser feito de forma segura.

“Já há protocolos de biossegurança estabelecidos que reduzem riscos de contágio no ambiente escolar. Todos estes protocolos se baseiam fundamentalmente em distanciamento, uso de máscaras e de álcool em gel”, afirmou Ribeiro.

Ministro lamenta a demora na reabertura das escolas no 

O ministro afirmou ainda que o Brasil é um dos últimos países a reabrir as escolas na pandemia: “O Brasil é, infelizmente, um dos últimos países do mundo a reabrir as escolas. E não há que se dizer que o assunto foi a vacinação. Acabo de chegar da Itália e lá os países estão todos retornando, alguns com porcentagem de vacinação inferior ao Brasil”.

Ontem (30), na véspera da audiência do ministro, o MEC divulgou o Guia de Retorno às Aulas Presenciais em uma rede social. Elaborado em 2020, o Guia traz orientações da pasta quanto aos protocolos de biossegurança em ambiente escolar.

Ao ser perguntado sobre o número de escolas que já retomaram as aulas presenciais, o ministro afirmou não saber ao certo.

De acordo com ele, o número está ligado às redes municipais: “Temos que avaliar quantos retornaram à escola pública após a vacina. Este número preciso eu não tenho porque este número está naturalmente ligado às redes municipais. Não temos este número de quantos alunos e quantas escolas voltaram às aulas presenciais”, afirmou Ribeiro.

Gostou do texto? Então deixe aqui o seu comentário!

Leia também Unicef aponta que 1 em cada 3 alunos tem problemas de conexão à internet em aulas on-line.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.