Microempreendedores Individuais (MEI) agora têm acesso ao Bolsa Família; saiba mais

Ter um registro formal como Microempreendedor Individual (MEI) é crucial para garantir uma série de benefícios aos empreendedores de pequeno porte.

Contudo, surge frequentemente a dúvida entre aqueles que desejam se cadastrar: o MEI impede o recebimento do Bolsa Família? Para esclarecer essa questão, é essencial compreender os critérios necessários para se enquadrar na categoria.

O registro formal como Microempreendedor oferece uma gama de vantagens, incluindo acesso facilitado a crédito, cobertura previdenciária, direitos trabalhistas e a possibilidade de emitir notas fiscais.

Entretanto, muitos indivíduos hesitam em se tornar MEI devido ao receio de perderem o benefício do Bolsa Família.

Para esclarecer essa questão, é fundamental compreender que a classificação como Microempreendedor está sujeita a critérios específicos.

Esses critérios desempenham um papel crucial na determinação do regime de pagamento de impostos aplicável à atividade exercida pelo microempreendedor.

Portanto, a resposta para a pergunta sobre se o cadastro como MEI impede ou não a elegibilidade para o Bolsa Família está intrinsecamente ligada a esses critérios.

Para obter uma visão mais clara dessa interação entre o registro como MEI e o Bolsa Família, continue lendo o artigo que preparamos a seguir.

Iremos detalhar os critérios de qualificação para essa categoria e como eles podem afetar a elegibilidade para esse programa de assistência social tão importante.

Antes de tudo, confira os critérios definidos para se tornar MEI

MEI
MEI pode receber o Bolsa família se este estiver dentro dos critérios estabelecidos pelo programa. Imagem: Canva.
  • Ter um faturamento anual de até R$ 81 mil é o primeiro requisito para se tornar um MEI. Isso significa que empreendedores que têm um negócio com um faturamento dentro desse limite podem se qualificar para essa categoria tributária;
  • Não ser sócio, administrador ou titular de outra empresa é outra condição importante. O MEI deve se dedicar exclusivamente ao seu próprio empreendimento e não possuir envolvimento em outras empresas;
  • Limitação de um funcionário contratado: Os empreendedores dessa categoria podem ter no máximo um funcionário contratado, o que significa que, se você opera um negócio com empregados adicionais, essa categoria tributária pode não ser adequada para você;
  • Realizar uma das 450 atividades registradas: Os MEIs devem exercer uma das atividades econômicas permitidas pelo programa. Felizmente, há uma ampla gama de opções para escolher, de modo que muitos tipos de negócios podem se encaixar nessa categoria.

Se você atender a esses critérios, poderá se tornar um Microempreendedor Individual e terá direito a vários benefícios fornecidos pelo Governo Federal.

Além disso, isso pode abrir portas para acessar programas sociais, como o Bolsa Família, que podem contribuir para melhorar sua qualidade de vida e a de sua família.

Todavia, é importante entender que para um MEI ter direito ao Bolsa Família é necessário estar de acordo com as regras específicas do programa de benefício social.

Isso significa que ser Microempreendedor Individual não necessariamente impede o recebimento do benefício, mas não ter um perfil de baixa renda sim!

Vamos explicar melhor abaixo.

Você pode se interessar em ler também:

Como é possível ser Microempreendedor e ainda receber o Bolsa Família?

O Bolsa Família é um programa social que visa proporcionar assistência financeira a famílias em situação de vulnerabilidade. Um dos critérios-chave para a inclusão no programa é a renda familiar per capita, que atualmente é limitada a R$218 por pessoa.

Se o faturamento do MEI não exceder esse valor, o empreendedor está apto a solicitar o benefício do Bolsa Família.

Porém, para fazer isso, é necessário estar devidamente cadastrado no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico).

O processo de inscrição pode ser realizado na unidade do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) mais próxima da residência do empreendedor.

O microempreendedor individual deve comparecer ao local com seu documento de identificação com foto, além do CPF dos demais membros de sua família.

Caso o MEI atenda aos critérios de renda do Bolsa Família, ele pode se tornar um beneficiário do programa. Mensalmente, o Ministério do Desenvolvimento Social inclui novos beneficiários no programa.

Os beneficiários do Bolsa Família recebem um valor mínimo de R$600 por mês por meio do Caixa Tem, o que pode ser uma ajuda significativa para famílias em situação de vulnerabilidade.

Entretanto, é importante lembrar que se o faturamento do MEI ultrapassar o limite estabelecido pelo programa de transferência de renda, o benefício pode ser suspenso ou cortado.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.