Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Avalie o Texto.

42% dos restaurantes tem um faturamento menor do que na pré-pandemia

De acordo com a pesquisa realizada pela Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes), antecipado ao Broadcast, sistema de notícias ao vivo do Grupo do Estado, 42% dos estabelecimentos do ramo alimentício, como restaurantes e bares, ainda apresentam um  faturamento menor do que no período pré-pandêmico.

Em contrapartida, 33% dos donos de restaurantes ouvidos pela pesquisa afirmam ter superado o desempenho antes de começarem a serem colocadas as medidas restritivas devido à pandemia de Covid-19.  Outros 14% entendem que ao menos recuperaram o movimento que tinham antes do período de restrições.

Os 11% restantes que foram ouvidos pelo levantamento da Abrasel, disseram que não tinham aberto seus negócios no ano de 2019. Vale ressaltar que os dados foram levantados em relação ao segundo semestre do ano passado e comparados com o mesmo período de 2019.

Segundo a associação, o setor aguarda o projeto aprovado pela Câmara no dia 16 de dezembro, que amplia o escopo do novo Refis (parcelamento de débitos tributários) ao permitir que micro e pequenas empresas do Simples Nacional, sistema simplificado de pagamentos de tributos, para regularizarem as dívidas tributárias com descontos.

Simples Nacional

Os descontos oferecidos pelo projeto do Simples Nacional, batizado de Programa de Reescalonamento do Pagamento de Débitos no Âmbito do Simples Nacional (Relp), vão até  90% em multa e juros e de 100% nos encargos legais para os débitos contraídos por pequenas empresas e MEIs na pandemia.

De acordo com informações colhidas pelo levantamento da Abrasel, entre os dias 17 a 27 de dezembro de 2021, a maior parte dos empresários do setor ao menos avalia aderir ao Relp. São 60% os que dizem que irão aderir com certeza ao programa e outros 36% afirmam que avaliam aderir dependendo das condições.

Somente os 4% restantes disseram que não pretendem adotar o refinanciamento. Quase a metade das empresas consultadas (47%) já tem parcelas do Simples Nacional em atraso. E, destas, 85% têm medo de serem desenquadrados do regime fiscal diferenciado.

O presidente-executivo da Abrasel, Paulo Solmucci, salienta a importância do programa de refinanciamento do Simples Nacional. “A expectativa é alta. Queremos começar o ano e reafirmar a retomada com o alívio de saber que não haverá o desenquadramento do Simples por dívida. Por isso o refinanciamento é tão importante. A sanção do presidente da República deve ser a primeira boa notícia do ano para o nosso setor”.

A contribuição dos restaurantes para a situação empregatícia no Brasil

Ainda segundo a pesquisa da Abrasel, 27% dos donos de estabelecimentos disseram ter contratado funcionários no último mês do ano. Outros 22% têm a expectativa de seguir contratando no início de 2022. Em relação a demissões, 16% afirmaram ter tido de reduzir o quadro de funcionários em dezembro.

Já 60% esperam manter a quantidade de funcionários no primeiro semestre de 2022. Outro índice avaliado pela pesquisa foi sobre quantos seguem trabalhando com prejuízo. Nesse sentido houve uma pequena melhora, de 35% em novembro para 33% em dezembro.

De acordo com o presidente-executivo, “O nosso setor tem sido o carro-chefe da economia nos últimos meses, ajudando a melhorar os índices de atividade econômica e de emprego, e também contribuindo para segurar a inflação. Mas precisamos de um olhar atento para a questão do endividamento. Mais de 70% têm empréstimos contratados, muitos deles via Pronampe”.

O levantamento indica que, dos que têm empréstimos contratados para tentar alavancar o faturamento de seu restaurante, 22% estão com pelo menos uma parcela em atraso e, destes, 29% têm parcelas vencidas há mais de 3 meses.

Avalie o Texto.
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.