Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

João Roma está desenhando novos projetos sociais, diz Governo

O Ministro da Cidadania vem aparecendo pouco nos últimos dias. De acordo com o Governo Federal, isso tem uma explicação. É que ele estaria trabalhando para desenhar alguns programas sociais para o Brasil neste segundo semestre. Pelo menos essa é a ideia.

Quem confirmou essa informação foi o Ministro da Economia, Paulo Guedes. De acordo com ele, o chefe da pasta da Cidadania estaria preparando vários novos programas para entregar para a população em breve. Ele não deu, no entanto, mais detalhes sobre essas ideias.

O Ministro da Economia disse apenas que as pessoas irão conhecer um desses projetos daqui a 15 dias. No entanto, ele deixou claro que vai ser apenas um esboço. Isso porque o programa pronto deverá durar de 30 a 60 dias para passar por uma apresentação oficial.

Além disso, Paulo Guedes disse que o Governo Federal está criando uma espécie de grupo interministerial para tentar trabalhar na construção dos projetos do segundo semestre. A ideia é que pessoas das mais diferentes áreas possam contribuir com o programa.

“Nosso governo está coerente, trabalhando muito junto, equipe muito unida para manter cadeia produtiva funcionando”, disse Guedes. Neste evento, que contou com a participação de outros ministros, ele também defendeu a desoneração sobre a folha de pagamento.

Depois do Auxílio

Todo essa preocupação do Governo com o segundo semestre acontece porque eles precisam dar algumas respostas. A primeira, e talvez mais importante delas, é de onde vai vir o dinheiro para pagar isso tudo. É que, goste ou não dele, o teto de gastos existe.

Isso significa dizer portanto que o Governo precisa respeitar um teto de gastos nesses pagamentos. E se isso não acontecer, o Planalto poderá estar cometendo portanto um crime de responsabilidade. E isso é tudo o que a equipe econômica teme neste momento.

De acordo com membros do Palácio do Planalto, a ideia é colocar todos esses projetos em prática depois do fim do Auxílio Emergencial. Vale lembrar que esse programa deverá passar por uma prorrogação de dois ou três meses. Pelo menos foi isso o que Paulo Guedes garantiu.

Dinheiro para programas

Na última terça-feira (15), o Presidente Jair Bolsonaro deu uma entrevista dizendo que o valor médio de pagamentos do novo Bolsa Família será de R$ 300. Essa declaração acabou pegando muita gente de surpresa dentro do Ministério da Economia.

É que esses membros estavam levando como certo a média de pagamentos na casa dos R$ 250. No entanto, essa fala de Bolsonaro acaba mudando muita coisa. De acordo com informações de bastidores, a regra agora dentro do Ministério é encontrar locais para tirar esse dinheiro e aumentar o Bolsa Família.

Segundo uma matéria do Portal de notícias UOL, o Governo estaria estudando a possibilidade de acabar com o abono salarial PIS/PASEP. Com isso, eles poderiam economizar cerca de R$ 20 milhões por ano e isso iria direto para o novo Bolsa Família. No entanto, o Palácio do Planalto ainda não confirmou essa informação.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.