Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Inflação 2021 cresce pela 27ª vez seguida

Pra quem esperava a recuperação da economia rapidamente, as notícias podem não ser boas, principalmente quanto a inflação 2021.

O mercado financeiro aumentou de 8,51% para 8,59% a estimativa  do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que é considerado a inflação oficial do país.  Há um mês a previsão era de 8%

Em outras palavras, os produtos vão continuar subindo e ficando mais caros, já a economia do Brasil deve crescer menos do que era esperado inicialmente.

Os resultados foram estimativas do relatório “Focus”, divulgado nesta segunda-feira (11) pelo Banco Central (BC).

Os dados para inflação chamam atenção, pela 27ª vez seguida há alta na perspectiva de inflação em 2021.

Os valores para 2022 e 2023 também foram corrigidos. Confira abaixo:

  • Previsão inflação 2021: 8,51% para 8,59%;
  • Previsão da inflação 2022: 4% para 4,17%;

 

Valor está acima da meta da inflação 2021

O valor de 8,51% previsto para inflação de 2021 é mais que o dobro da meta estabelecido pelo Conselho Monetário Nacional – um total de 3,75%. O valor não consegue alcançar sequer a tolerância da margem que é estipulada em 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Assim, com a margem a inflação poderia ficar em 2,25% ou 5,25%.

Desta forma, se a inflação de 2021 estimada pelo boletim Focus se concretizar, o presidente do Banco Central deverá fazer uma carta aberta para explicar a situação.

A inflação 2021 não é apenas um indicador econômico, mas afeta o dia a dia da população que deve conviver com a alta dos preços, enquanto o salário não aumenta, reduzindo assim o poder de compra final.

PIB

Como já dito, enquanto a inflação 2021 deve aumentar, o Produto Interno Bruto (PIB) deve ficar em 5,04% para 2021. Os valores foram mantidos em comparação com a estimativa anterior.

O PIB é importante indicador e serve como um indicativo para retomada da economia. Ele mede, por exemplo, a produção de bens e serviços produzidos no país.

Com queda histórica de 4,1% em 2020, o PIB do Brasil saiu do ranking das 10 maiores economias do mundo. 

Neste cenário, o ministro da Economia, Paulo Guedes, chegou a admitir que os “barulhos políticos” atrapalham o cenário, ele também revelou o que achou sobre algumas das recentes falas do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Na ocasião, mesmo diante do cenário atual, o ministro continuou apostando na “retomada da economia em V”.

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.