Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Avalie o Texto.

Holocausto negro: dados do que aconteceu na Segunda Guerra Mundial

Pouco se fala sobre a aversão de Hitler à população negra

O censo alemão não pesquisa moradores sobre raça, após a Segunda Guerra Mundial, portanto, não há um número definitivo da população negra na Alemanha.

Um relatório  da Comissão Europeia contra o Racismo e a Intolerância  estima que haja de 200.000 a 300.000 negros vivendo na Alemanha, embora outras fontes suponham que esse número seja mais alto, para cima de 800.000.

Independentemente dos números específicos, que não existem, os negros são minoria na Alemanha, mas ainda estão presentes e têm desempenhado um papel importante na história do país.

Na Alemanha, os negros são normalmente chamados de afro-alemães ou negros alemães.

História antiga

Alguns historiadores afirmam que o primeiro influxo considerável de africanos veio das colônias africanas da Alemanha no século XIX para a Alemanha. Alguns negros que vivem na Alemanha hoje podem reivindicar ancestrais de cinco gerações anteriores.

No entanto, as buscas coloniais da Prússia na África foram bastante limitadas e breves (de 1890 a 1918), e muito mais modestas do que as potências britânicas, holandesas e francesas.

A colônia da Prússia no sudoeste da África foi o local do primeiro genocídio em massa cometido pelos alemães no século XX. Em 1904, as tropas coloniais alemãs contra-atacaram uma revolta com o massacre de três quartos da população herero no que hoje é a Namíbia.

A Alemanha levou um século inteiro para emitir um pedido formal de desculpas aos herero por essa atrocidade, que foi provocada por uma “ordem de extermínio” alemã.. A Alemanha ainda se recusa a pagar qualquer indenização aos sobreviventes hererós, embora forneça ajuda estrangeira à Namíbia.

Alemães negros antes da Segunda Guerra Mundial

Após a Primeira Guerra Mundial, mais negros, a maioria soldados senegaleses franceses ou seus descendentes, acabaram na região da Renânia e em outras partes da Alemanha.

As estimativas variam, mas na década de 1920, havia cerca de 10.000 a 25.000 negros na Alemanha, a maioria deles em Berlim ou outras áreas metropolitanas.

Até os nazistas chegarem ao poder, os músicos negros e outros artistas eram um elemento popular da vida noturna de Berlim e de outras grandes cidades.

O jazz, mais tarde denegrido como Negermusik (“música negra”) pelos nazistas, tornou-se popular na Alemanha e na Europa por músicos negros, muitos dos Estados Unidos, que acharam a vida na Europa mais libertadora do que em casa. Josephine Baker, na França, é um exemplo proeminente.

Tanto o escritor americano e ativista dos direitos civis WEB du Bois quanto a sufragista Mary Church Terrell estudaram na universidade de Berlim. Posteriormente, eles escreveram que sofreram muito menos discriminação na Alemanha do que nos Estados Unidos

Os nazistas e o holocausto negro

Quando Adolf Hitler chegou ao poder em 1932, as políticas racistas dos nazistas impactaram outros grupos além dos judeus. As leis de pureza racial dos nazistas também visavam ciganos (ciganos), homossexuais, pessoas com deficiência mental e negros.

Não se sabe exatamente quantos alemães negros morreram nos campos de concentração nazistas, mas as estimativas indicam que esse número fica entre 25.000 e 50.000.

O número relativamente baixo de negros na Alemanha, sua ampla dispersão pelo país e o foco dos nazistas nos judeus foram alguns fatores que possibilitaram que muitos negros alemães sobrevivessem à guerra.

E então, você sabia que também houve o holocausto negro? Compartilhe!

Não deixe de ler também – Estude o nazismo: conheça uma das teorias monstruosas de Hitler

Avalie o Texto.

Veja o que é sucesso na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.