Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Estude o nazismo: conheça uma das teorias monstruosas de Hitler

Ditador sangrento acreditava na 'raça pura'

Para um homem que governou um país poderoso e afetou o mundo de forma monstruosa, Adolf Hitler deixou relativamente pouco em termos de material útil sobre suas teorias inescrupulosas.

Hitler acreditava na ” Volksgemeinschaft “, uma comunidade nacional formada por pessoas racialmente “puras”. E, no caso específico dele, ele achava que deveria haver um império formado apenas por alemães puros.

Isso teve um efeito duplo em seu governo: todos os alemães deveriam pertencer a um único império e, portanto, os que estavam atualmente na Áustria ou na Tchecoslováquia deveriam ser levados ao estado nazista por qualquer meio que funcionasse.

Teoria aplicada brutalmente no holocausto

Mas, além de querer trazer “verdadeiros” alemães étnicos para o Volk, ele queria expulsar todos aqueles que não se encaixassem na identidade racial que ele imaginou para os alemães.

Isso significou, a princípio, expulsar ciganos, judeus e doentes de seus cargos no Reich, e evoluiu para o holocausto – uma tentativa de executá-los ou matá-los de trabalho. Os recém-conquistados eslavos sofreriam o mesmo destino.

O Volk tinha outras características. Hitler não gostava do mundo industrial moderno porque via o Volk alemão como um agrário essencial, formado por camponeses leais em um idílio rural. Esse idílio seria liderado pelo Fuhrer, teria uma classe alta de guerreiros, uma classe média de membros do partido e uma vasta maioria sem nenhum poder, apenas lealdade.

Deveria haver uma quarta classe: pessoas escravizadas compostas de etnias “inferiores”. A maioria das divisões mais antigas, como a religião, seria apagada. As fantasias völkisch de Hitler foram derivadas de pensadores do século 10 que produziram alguns grupos völkisch, incluindo a Sociedade Thule.

A raça ariana superior

Alguns filósofos do século 19 não se contentaram com o racismo dos brancos sobre os negros e outras etnias. 

Escritores como Arthur Gobineau e Houston Stewart Chamberlain derivaram uma hierarquia adicional, que deu às pessoas de pele branca uma hierarquia interna. 

Gobineau teorizou uma raça ariana de origem nórdica que era racialmente superior, e Chamberlain transformou isso em teutões (germânicos que viviam no centro e norte da Europa) / alemães arianos que carregaram a civilização com eles, e também classificou os judeus como uma raça inferior que estava arrastando a civilização de volta.

Os teutões eram altos e louros e a razão pela qual a Alemanha deveria ser grande; Os judeus eram o oposto. O pensamento de Chamberlain influenciou muitos, incluindo o racista Wagner.

Hitler nunca reconheceu explicitamente as ideias de Chamberlain como vindo dessa fonte, mas ele acreditava firmemente nelas, descrevendo os alemães e os judeus nesses termos, e desejando proibir que seu sangue se misturasse para manter a pureza racial.

Não deixe de ler também – 10 filmes sobre a Segunda Guerra Mundial: veja quais são eles

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Acesse www.pensarcursos.com.br
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.