Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Gás de cozinha sobe mais que o dobro da inflação em 2020

O gás de cozinha subiu no ano passado mais que o dobro do que a inflação e registrou alta de 9,24%, de acordo com dados do Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Os dados foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), na quinta-feira (12).

O   gás liquefeito de petróleo (GLP), popularmente conhecido como gás de cozinha, é comprado principalmente pelas famílias de baixa renda e mesmo assim fechou o ano com a maior alta em relação com outros gases derivados do petróleo. O gás encanado, por exemplo, teve diminuição de 1,29% no preço. Já o gás veicular fechou o ano de 2020 com alta de 1,66%. Esses dois últimos são utilizados por família de maior poder aquisitivo.

O preço médio do gás de cozinha hoje está em R$ 75, podendo chegar até cerca de R$ 105. Já no início da pandemia da Covid-19 o preço médio estava em R$ 69.  Os dados são da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Mudança de reajustes no preço do gás de cozinha

Em 2019, a política de reajustes do gás de cozinha passou a ser sem data definida. Tanto que, nos últimos 40 dias, dois aumentos do gás de cozinha foram feitos pela Petrobras, sendo respectivamente, 5% e 6%.

O preço ainda é influenciado pelo dólar e cotação internacional do petróleo. Ainda em 2017 o ajuste era realizado mensalmente, depois a cada três meses, tendência que vigorou até 2018.

O preço do gás de cozinha pode chegar até R$ 200 ainda este ano.

 

Queda na demanda

A alta do preço do gás de cozinha também está atrelada na diminuição da compra. “De acordo com o Ministério de Minas e Energia, o consumo do botijão de 13 kg caiu 20% na última semana de dezembro em relação ao mesmo período do ano anterior”, diz informação da Agência Brasil. Ainda, a demanda do botijão de mais de 13 kg caiu 32,5%

Professor de economia da Fundação Getulio Vargas (FGV), Mauro Rochlin, disse a Agência Brasil, que a redução da demanda não é suficiente para preços voltarem ao normal.

“O preço do gás de cozinha é determinado por variantes externas, como o dólar e a cotação do petróleo. O petróleo recuperou-se no fim do ano passado depois de experimentar uma queda considerável de preço no início da pandemia. O dólar está atrelado a fatores internacionais e a expectativas sobre a economia brasileira”, explica.

O professor ainda destacou a dificuldade de substituir o produto rapidamente, qualquer solução como energia solar e fogões elétricos gerariam investimentos. “O gás de cozinha é um produto com baixa elasticidade de demanda. Trata-se de um bem essencial, que não pode ser substituído facilmente”, declarou.

 

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Acesse www.pensarcursos.com.br
2 Comentários
  1. Lurdinha Diz

    E ainda querem tirar o auxillio emergencial das pessoas é um absurdo tudo ficando caro o governo deveria ser mais inteligente pois todo dinheiro do auxilio é injetado de vilta na economia

  2. Irapuan Gomes Ferreira Diz

    Eu preciso pagar minhas contas

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.