Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

EXTENSÃO do auxílio emergencial em janeiro, fevereiro e março de 2021

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) lançou um novo projeto de lei (PL) que propõe a prorrogação do auxílio emergencial com pagamentos em janeiro, fevereiro e março de 2021.

De acordo com o senador, já existem conversas com outros parlamentares sobre a iniciativa, mas ainda não há previsão para sua inclusão na pauta da Casa.

O auxílio emergencial e estado de calamidade pública estão previstos para terminar, juntos, em 31 de dezembro de 2020. O projeto apresentado pelo Senador Vieira propõe que esse prazo seja prorrogado até março de 2021 por conta dos impactos econômicos causados pela pandemia do novo coronavírus. Sobretudo, ainda, que a pandemia continua e que a vacinação levará um tempo ainda indefinido para ser concluída.

“O fato é que, por conta da inércia do governo federal, simplesmente não teremos um programa nacional de vacinação em execução antes de março. É preciso fazer essa ponte para manter o mínimo de estabilidade social até lá”, disse o senador.

Os parlamentares tentarão votar na quarta-feira, 16 de dezembro, a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) diretamente em plenário em sessão do Congresso. Após isso, os congressistas devem voltar às suas bases para as festas de fim de ano.

O auxílio emergencial, aprovado em março no Congresso, foi pago inicialmente por 3 meses com o valor de R$600 aos chamados vulneráveis. Após isso, o benefício foi estendido por mais 2 meses, com o mesmo valor. Por fim, em setembro, o benefício foi estendido em mais 4 parcelas até dezembro de 2020.

O Governo Federal chegou e estipular a criação de um novo programa de renda permanente, com valores maiores que os pagos pelo Bolsa Família, mas até o momento não foi possível incorporar o tema.

O que diz o Governo sobre a prorrogação do auxílio emergencial até 31 de março de 2021

Na última semana, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) fez nova declaração sobre a prorrogação do auxílio emergencial. Durante evento em Foz do Iguaçu, o presidente se mostrou contrário a estender o benefício mais uma vez. Atualmente, o programa paga parcelas de R$ 300 para os beneficiários. O auxílio finaliza os pagamentos no dia 31 de dezembro.

“Nada mais dignifica o homem do que trabalho, é o que nós precisamos. Temos internamente os nossos problemas, ajudamos o povo do Brasil com alguns projetos, por ocasião da pandemia. Você [Benítez] fez o mesmo no Paraguai, aqui do lado. Alguns querem perpetuar tais benefícios, ninguém vive dessa forma, é o caminho certo para o insucesso”, afirmou Bolsonaro, se referindo ao presidente do Paraguai, que estava no local.

Nas redes sociais, o presidente afirmou ainda que há risco de apagão no Brasil, se nada for feito. Bolsonaro se referia aos baixos níveis da água em represas de hidrelétricas.

Também recentemente, o presidente comentou uma possível prorrogação do auxílio conversando com apoiadores em frente ao Palácio do Planalto. Ao ser perguntado por um apoiador se o programa seria prorrogado, o presidente respondeu: “Pergunta para o vírus”. Em seguida, Bolsonaro completou que o governo se prepara para todos os cenários, mas “tem que esperar certas coisas acontecerem”.

Paulo Guedes, ministro da Economia do governo, também já se mostrou contrário à ideia de prorrogar o programa diversas vezes. Mais recentemente, o ministro afirmou que não há probabilidade alguma ou qualquer discussão sobre o tema no governo.

O auxílio emergencial foi criado para pagar três parcelas de R$ 600 aos trabalhadores mais vulneráveis. Em seguida, foi prorrogado para mais duas parcelas de R$ 600. Por fim, foi prorrogado para mais quatro parcelas de R$ 300. Neste último caso, nem todos têm direito ao pagamento. Apenas as cinco parcelas de R$ 600 são garantidas a todos os aprovados.

Veja também: Auxílio de R$300 liberado hoje aos brasileiros; VEJA como receber em sua cidade

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Acesse www.pensarcursos.com.br
10 Comentários
  1. Ane Diz

    Fora STF sem serventia. A mídia fez lavagem cerebral no povo. Se o povo tivesse tomado Invermectina não teria morrido 10%. Mas precisa tomar no início dos sintomas. A vacina é mais perigosa que o vírus. Fique ligado.

  2. Joselito Alves Diz

    O Governo precisa compreender que sem recursos na mão do povo menos favorecidos, haverá um caos, indice de roubos, assaltos, mortes, tomaram conta do nosso país.
    Nem eles mesmos estarão livres.
    Sem o povo não há governo e sem governo não há sociedade civilizada.
    A fome e o desespero, obriga a presa visa caçador.
    Lembre o lema da sua campanha Senhor presidente!
    Tenho visto família sendo deteriorada, desmoronando aos poucos.
    Não há na maioria delas, entendimento.
    Tudo isso, devido a falta de recursos.
    Concordo sobre a Questão de não continuar com o auxílio, pois isso está gerando um estado de enercia na maioria dos brasileiros com relação ao trabalho.
    Contudo, se não há opções de trabalho, não é conveniente parar.

    Joselito Alves

  3. Manu Diz

    Gente, não adianta nada vcs ficarem despejando seus problemas aqui. Isso é apenas uma matéria de jornal, ninguém aqui pode solucionar nada.

  4. Walter luiz Rodrigues durand Diz

    O povo sofre,sem emprego e passando fome o mínimo que este maldito presidente e ajudar o povo que o elegeu, até essa bendita vacina sair. Meus pensamentos. Walter luiz Rodrigues durand.

    1. Eclesia Diz

      Estamos sem emprego des que começou a pandemia não consigo emprego como vamos sobreviver?

  5. Elisângela Diz

    Queria saber

  6. Bruna Kelly parreira DOIS Santos Diz

    Meu auxílio r$ 300 foi negado deu como estivesse recebendo benefício Mas eu não estou Já corri atrás mais não consegui

  7. Gislene Pereira Ramos Diz

    Eu sou mãe de dois rapazes recebemos as primeiras parcelas e depois corto porquê o meu filhos conseguiram emprego mas só um está trabalhando o outro foi dispensado sem direito a nada e eu só recebo 180 reais moro de aluguel e conheço muita gente que e pequenos empreendedores que recebê até 600 reais eu vejo que está sendo injustos nós que estamos afastados por invalidez não temos respaldo nenhum quando trabalhava eu tirava até 2500 agora recebo 1045 r não recebo auxílio um pegue no empreendedor tira na média uns 3500 por mês sabe o que vejo quem tinha agora tem mais quem não tinha ficou pior sem ter onde tirar este e o Brasil da desigualdade tem que fazer sindicância urgentetem gente reformado casa comprando carro e outros nem o dinheiro pó pão 🤔😭

  8. JUCILEA DA SILVA SEDANO Diz

    Sou beneficiada com o bolsa família e meu marido se encontra no meu cadastro. Na época dos 600 Reis recebi o meu valor e o dele mas agora só tem vindo os meu 300.
    No meu caso ele não tem direito receber também os 300 reais dele?

    1. joao paulo Diz

      ai depende de quando ele começou a receber o auxilio de 600 reais se foi em agosto não recebe parcelas de 300

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.