Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Avalie o Texto.

Entenda os impactos das zonas mortas do oceano

As zonas mortas são uma característica dos nossos oceanos há milhões de anos, no entanto, estão piorando.

Os pesquisadores descobriram que nos últimos 50 anos, houve uma redução de 2% nos níveis de oxigênio dissolvido em oceano aberto. 

Espera-se que isso se torne uma redução de 3% a 4% até 2100 se não forem tomadas medidas para reduzir a poluição oceânica, bem como os impactos das mudanças climáticas, como o aumento dos gases do efeito estufa na atmosfera .  

À medida que as zonas mortas se formam no oceano, elas têm o potencial de afetar a saúde geral dessas águas, bem como os animais e as pessoas que dependem delas. 

Impactos ambientais

Peixes e outras espécies móveis geralmente nadam para fora de uma zona morta, deixando para trás espécies imóveis, incluindo esponjas, corais e moluscos como mexilhões e ostras. 

Como essas espécies imóveis também precisam de oxigênio para sobreviver, elas morrerão lentamente. Sua decomposição se soma aos baixos níveis de oxigênio já presentes.

A hipóxia: níveis insuficientes de oxigênio – atua como um desregulador endócrino em peixes, afetando suas habilidades reprodutivas. Os baixos níveis de oxigênio têm sido associados à redução do desenvolvimento gonadal, bem como à redução da mobilidade dos espermatozoides, taxas de fertilização, taxas de incubação e sobrevivência de larvas de peixes. 

Moluscos, crustáceos e equinodermos são menos sensíveis a baixos níveis de oxigênio do que peixes, mas as zonas mortas têm sido associadas ao crescimento reduzido do camarão negro .

A perda de oxigênio nas profundezas do oceano pode levar ao aumento da produção de gases de efeito estufa, óxido nitroso, metano e dióxido de carbono. Durante eventos de mistura oceânica, estes podem atingir a superfície e ser liberados.  

Os pesquisadores também suspeitam que a presença de zonas mortas pode estar ligada à morte em massa de recifes de coral nas áreas afetadas. 

A maioria dos projetos de monitoramento de recife não mede atualmente os níveis de oxigênio, então o efeito das zonas mortas na saúde do recife de coral provavelmente está subestimado atualmente. 

Impactos Econômicos 

Para os pescadores que dependem do oceano para seu sustento, as zonas mortas causam problemas porque eles precisam viajar para mais longe da costa para tentar encontrar áreas onde os peixes se reúnem. 

Para alguns barcos pequenos, essa quilometragem adicional é impossível. Os custos extras de combustível e pessoal também tornam impraticável para alguns barcos viajar distâncias maiores.

Peixes maiores, como o marlin e o atum, são extremamente sensíveis aos efeitos do baixo oxigênio, portanto, podem deixar seus locais de pesca tradicionais ou ser forçados a entrar em camadas menores de superfície de água mais rica em oxigênio. 

Cientistas da NOAA estimam que as zonas mortas custam às indústrias de frutos do mar e turismo dos EUA cerca de US$82 milhões por ano. 

Por exemplo, a zona morta no Golfo do México tem um impacto econômico na indústria pesqueira ao aumentar o preço do camarão maior, uma vez que é menos comumente capturado na zona morta em comparação com o camarão menor.  

A maior zona morta do mundo

A maior zona morta do mundo está localizada no Mar da Arábia. Abrange 63.7000 milhas quadradas no Golfo de Omã. 

Os cientistas descobriram que a principal causa dessa zona morta é o aumento da temperatura da água, embora o escoamento de fertilizantes agrícolas também tenha contribuído. 

As zonas mortas podem se recuperar?

O número total de zonas mortas oceânicas tem aumentado constantemente e agora há quatro vezes o número de zonas mortas em comparação com a década de 1950. 

O número de zonas mortas costeiras com escoamento de nutrientes, matéria orgânica e esgoto como a causa principal aumentou dez vezes .

A boa notícia é que certas zonas mortas podem se recuperar se ações forem tomadas para controlar os impactos da poluição. 

As zonas mortas formadas pelos efeitos da mudança climática podem ser mais difíceis de resolver, mas seu tamanho e impacto podem ser retardados. 

Um exemplo bem conhecido de recuperação de zona morta é a zona morta do Mar Negro, que já foi a maior do mundo, mas desapareceu quando o uso de fertilizantes caros foi drasticamente reduzido após o colapso da União Soviética em 1991. 

Quando os países ao redor do rio Reno na Europa concordaram em agir, os níveis de nitrogênio que entraram no Mar do Norte foram reduzidos em 37%. 

À medida que os países começam a perceber o vasto impacto negativo que as zonas mortas podem ter, uma variedade de medidas estão sendo implementadas para reduzir sua ocorrência.

Aquicultura de moluscos e remoção de nutrientes

Moluscos bivalves como ostras, amêijoas e mexilhões podem desempenhar um papel importante na remoção do excesso de nutrientes, pois os filtram da água em um processo conhecido como bioextração.

Pesquisas realizadas pela NOAA e EPA descobriram que o cultivo desses moluscos por meio da aquicultura pode oferecer não apenas uma melhor qualidade da água, mas também uma fonte sustentável de frutos do mar.   

Melhores Práticas de Gestão

A EPA publica estratégias de redução de nutrientes projetadas para promover as melhores práticas quando se trata de reduzir os níveis de nitrogênio e fósforo. 

Isso varia de acordo com o estado, mas inclui ações como limitar os níveis de ingredientes específicos em fertilizantes, implementar práticas apropriadas de gerenciamento de águas pluviais e usar as melhores práticas agrícolas para reduzir a poluição dos cursos de água com nitrogênio e fósforo.  

Os esforços para conservar as áreas úmidas e várzeas também são importantes. Esses habitats ajudam a absorver e filtrar o excesso de nutrientes antes de chegarem aos oceanos. 

Como você pode ajudar a restaurar as zonas mortas do oceano

Além de ações tomadas em um nível mais amplo para diminuir a incidência de zonas mortas, há também ações individuais que todos podemos implementar para fazer uma diferença coletiva. Esses incluem:

  • Evite a aplicação excessiva de fertilizantes em vegetais, plantas e gramados cultivados em casa,
  • Mantenha uma zona tampão de vegetação ao redor de qualquer curso de água que faça fronteira com sua terra,
  • Se você usar um sistema de fossa séptica, certifique-se de que ele seja mantido regularmente e não tenha vazamentos,
  • Opte por comprar alimentos cultivados com aplicação mínima de fertilizante ou cultivar seus próprios, 
  • Compre mariscos de empresas de aquicultura sustentável.

E então, gostou da matéria? Não deixe de ler também – Enem 2021: 5 dicas para estudar química na reta final.

Avalie o Texto.

Está "bombando" na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.