Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Governo não pagou valor previsto para programa de manutenção do emprego

Dos R$ 51,6 bilhões reservados, R$ 16,5 bilhões (32%) foram desembolsados.

O Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda pagou até 17 de julho um terço do total esperado. Dos R$ 51,6 bilhões reservados, R$ 16,5 bilhões (32%) foram desembolsados para complementar os salários de brasileiros que tiveram os contratos de trabalho suspensos ou os salários cortados e redução de jornada.  

Os dados são do Tribunal de Contas da União, que considera a execução dos recursos baixa, tendo em vista que o programa foi criado em abril para ter três meses de vigência, mas não havia consumido metade de sua verba em meados do terceiro mês. 

O relatório do tribunal sobre o desempenho da política pública, cujo julgamento está previsto para esta quarta-feira (5), aponta possíveis fraudes, como o pagamento de benefícios a pessoas mortas. Ainda, foram apurados casos de trabalhadores recebendo por múltiplos vínculos de emprego, até nove numa mesma empresa.  

Passados quase três meses de sua criação, Ministério da Economia ainda não havia implementado mecanismos de apresentação e de análise de recursos contra casos de negativa do benefício, concessão por tempo inferior ao devido ou pagamentos feitos a menor. Nem mesmo as regras disciplinando os procedimentos estavam prontas. 

“A Strab e a Dataprev não conseguiram ainda implementar o módulo de recursos, provocando represamento dos casos de solicitações indeferidas, sem que os solicitantes possam fazer nada para reverter a situação”, constatou o TCU. 

O benefício é pago mensalmente e se destina a trabalhadores que fizeram acordo com empregadores para suspensão do contrato de trabalho ou redução proporcional de jornada e de salário. 

Até 17 de julho, 12,1 milhões de pactuações haviam sido feitas. Na terça-feira (4), o Ministério da Economia contabilizava 15,5 milhões e um desembolso de R$ 18,7 bilhões. 

Leia Também:

PENSAR CURSOS brasil 123

8 Comentários
  1. Ligia Diz

    Eu estou sem receber o benefício de junho e julho. E ainda tive o benefício do primeiro mês pago a menor, fiz recurso referente para reclamar de não ter recebido ainda, e até hoje não tenho resposta e nem recebi nada. Estou com trabalho e renda reduzido e não tenho a quem reclamar.
    Gostaria de saber como pode chamar o programa de “BENEFÍCIO EMERGENCIAL””!!!!!
    GOSTARIA URGENTE DE UMA RESPOSTA POSITIVA PARA O MEU CASO.

  2. Edmar Braz de Castro Diz

    Eu também recebi errado meu auxílio BEM que me pagou a menos não consigo onde recorrer

  3. MARLI APARECIDA DA SILVA Diz

    Eu recebi o mês de maio , e estou até hj esperando a segunda parcela. Entro na carteira digital e só aparece em análise…entrei com recurso e nada. Aff

    1. Ligia Diz

      Eu estou sem receber o benefício de junho e julho. E ainda tive o benefício do primeiro mês pago a menor, fiz recurso referente para reclamar de não ter recebido ainda, e até hoje não tenho resposta e nem recebi nada. Estou com trabalho e renda reduzido e não tenho a quem reclamar.
      Gostaria de saber como pode chamar o programa de “BENEFÍCIO EMERGENCIAL””!!!!!
      GOSTARIA URGENTE DE UMA RESPOSTA POSITIVA PARA O MEU CASO.

  4. Marcelojordaoreis Diz

    Eles estãop pagando a gente errado ha minha

  5. Daniele Diz

    Alguém sabe de alguma notícia do tal valor que estava errado e Dataprev tinha informado que fazer pagamento dessa diferença ?

  6. Stefano Diz

    tem boatos que o seguro desemprego poder a ser prorrogado em duas parcelas….ninguém é nenhuma TV fala disso….é uma vergonha!!!!

  7. Gilberto Antônio de Oliveira Diz

    Gostaria de saber se não vai alterar meu seguro desemprego

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Obrigado por se cadastrar nas Push Notifications!

Quais os assuntos do seu interesse?