Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Avalie o Texto.

Previsão de crescimento da economia sobe para 4%

Época de pandemia e imprevisão na economia. Neste mesmo cenário, a previsão de crescimento da economia foi revisada de 3,6% para 4% pelo governo. Os dados foram divulgados hoje (21) e são do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Ainda assim, com a revisão e nova previsão do crescimento da economia, vários desafios ainda devem ser enfrentados no ano que vem.  Entre eles estão a possibilidade do fim do auxílio emergencial e o desemprego.

Recuperação dos setores

Os dados de previsão de crescimentento da economia, por outro lado, são controversos e ainda não garantem constância. Os analistas da pesquisa afirmaram que os setores de vendas e produção demonstraram recuperação ao longo deste ano. Todavia, outros setores não se recuperaram da mesma maneira, como a indústria e o comércio.

Mesmo assim, ainda é possível contar com deterioração fiscal, a evolução mundial da pandemia e as incertezas econômicas neste cenário. “A dificuldade de se prever a evolução da pandemia e os desafios do processo de consolidação fiscal são as principais fontes de incertezas para as projeções de crescimento da economia brasileira em 2021”, apontou o diretor de Estudos e Políticas Macroeconômicas do Ipea, José Ronaldo Souza Júnior.

Preço dos alimentos

O instituto espera cenário diferente deste ano na economia, onde o aumento dos preços puxou o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) para cima. É esperado um panorama inflacionário menor.

Conforme o Ipea, a composição do IPCA deve ser diferente, sendo esperado um redução da inflação no preço dos alimentos e uma alta nos setores administrados e de serviços.

Por fim, a inflação oficial deve regredir. De 4,4% deste ano para um total de 3,49%, para o ano seguinte, conforme cálculos do Ipea.

Entenda o que é IPCA clicando aqui.

Trabalho

De acordo com os dados divulgados, é esperado que inicialmente o desemprego aumente no ano que vem, antes de começar a cair. Em 2021 deve haver, de acordo com especialistas, uma alta na procura de emprego e pode gerar tal situação.

Atualmente, de acordo com os analistas, há recuperação visível, porém modesta, no mercado de trabalho.

Pandemia

O relatório divulgado ainda contou com indicadores relacionados ao Covid-19, que foram um dos fatores que impactaram a economia este ano. De acordo com os dados, a maior parte das regiões foi impactada, contudo a região Sul e Sudeste foram as que mais sofreram.

A região Sul registrou, em dezembro, o maior número de casos e mortes por 100 mil habitantes desde o inicio da pandemia.

Já a região Sudeste elevou seus números próximos aos picos de casos em agosto. Se em agosto a taxa de novos casos era 19,6 ; agora (até o último dia 17) já está com patamar parecido chegando a 17,4.

Confira opções de empréstimos para negativos 

 

Avalie o Texto.

Está "bombando" na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.