Corregedor nacional apura suposta venda de decisões judiciais por juiz do TRF-3

O corregedor nacional de Justiça, ministro Humberto Martins, determinou a instauração, nesta segunda-feira (06/07), de pedido de providências para que o juiz federal Leonardo Safi de Melo, titular da 21ª Vara Cível do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3), preste esclarecimentos sobre fatos divulgados em notícias jornalísticas de suposta venda de decisões judiciais em processos de requisição de pagamentos.

Operação Westminster

De acordo com as matérias, o magistrado foi preso provisoriamente no bojo da Operação Westminster, deflagrada pela Polícia Federal. Além dele, foram presos também  o diretor da secretaria da 21ª Vara Cível do TRF-3, um perito judicial e três advogados.

Venda de decisões judiciais

As notícias comunicam que o juiz federal, em tese, é suspeito de praticar venda de decisões judiciais em processos de requisição de pagamentos e que, ainda, em uma das supostas ações judiciais investigadas, os indiciados teriam solicitado vantagens indevidas para expedir um precatório no valor de R$ 700 milhões.

Instauração de procedimento

“Considerando o teor dos fatos mencionados, faz-se necessária a instauração de procedimento prévio de apuração para verificação de eventual violação dos deveres funcionais por parte de membro do Poder Judiciário”, declarou o ministro.

Compartilhamento das peças

Humberto Martins solicitou à presidente do TRF-3, desembargadora federal Therezinha Cazerta, para que autorize o compartilhamento das peças e documentos que instruem os autos do inquérito que tramita perante o tribunal federal e que corre em segredo de justiça.

Portanto, o juiz federal tem o prazo de 15 dias para prestar as informações solicitadas pela Corregedoria Nacional de Justiça.

Fonte: CNJ

Veja mais informações e notícias sobre o mundo jurídico AQUI

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.