Por Estado: AC | AL | AM | AP | BA | CE | DF | ES | GO | MA | MG | MS | MT | PA | PB | PE | PI | PR | RJ | RN | RO | RR | RS | SC | SE | SP | TO | NACIONAL

Avalie o Texto.

COP26: metas de tecnologia eólica e solar podem não ser cumpridas

Estimativas estão presentes no Acordo de Paris

A principal questão em torno da Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática (COP26) em Glasgow, Escócia, nas últimas duas semanas, foi se a humanidade conseguiria limitar o aquecimento global a 1,5 graus Celsius acima dos níveis pré-industriais.

A maioria dos cenários do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) para limitar o aquecimento global a 1,5ºC ou mesmo 2ºC dependem da rápida expansão de tecnologias de energia renovável como eólica e solar.

No entanto, uma análise dos 60 maiores países publicada na Nature Energy descobriu que essas tecnologias não estão crescendo rápido o suficiente para evitar o pior da crise climática.

Metas climáticas do Acordo de Paris

O Acordo de Paris de 2015 estabeleceu o objetivo mundial de limitar o aquecimento global a “bem abaixo” de 2 graus Celsius e idealmente a 1,5 graus Celsius acima dos níveis pré-industriais. E esse 0,5 grau Celsius é um pouco importante, como o IPCC descobriu.

Limitar o aquecimento a 1,5 graus Celsius poderia evitar que 10,4 milhões de pessoas experimentassem os impactos do aumento do nível do mar até 2100, limitar o risco de um Ártico sem gelo no verão, reduzir pela metade a porcentagem de vertebrados que perderiam mais de metade de seu alcance e manter centenas de milhões de pessoas longe da pobreza e do risco climático até 2050.

No entanto, atingir esse objetivo requer um rápido crescimento no desenvolvimento e implantação de energia renovável. Metade dos cenários de emissões do IPCC compatíveis com a limitação do aquecimento a 1,5 graus Celsius exigem que a energia eólica cresça mais de 1,3% do fornecimento de eletricidade a cada ano e a solar mais de 1,4%. Um quarto dos cenários exige taxas de crescimento ainda maiores, de mais de 3,3% ao ano.

Mas o mundo está no caminho certo para atingir esses objetivos?

Para responder a essa pergunta, a equipe de pesquisa da Chalmers University of Technology e da Lund University na Suécia e da Central European University em Viena, Áustria, analisou o desenvolvimento da energia eólica e solar nos 60 maiores países que são responsáveis ??por mais de 95% da energia global Produção.

“Estudamos 60 maiores países e descobrimos que o crescimento das energias renováveis ??é primeiro lento e irregular, depois acelera, atinge o crescimento máximo e, por fim, diminui”, diz Cherp. Essa trajetória é algo que os pesquisadores chamam de “curva em forma de S de adoção de tecnologia”.

Apenas cerca de metade dos países no estudo ainda não atingiu sua taxa máxima de crescimento para energia eólica e solar, então os pesquisadores analisaram os países que o fizeram e compararam suas descobertas com as taxas exigidas pelos cenários climáticos do IPCC.

Em média, a taxa máxima de crescimento para a energia eólica e solar ficou em torno de 0,9% do fornecimento de eletricidade por ano para a energia eólica e 0,6% para a energia solar, o que, diz Cherp, “é muito mais lento do que o necessário”.

O Enem está chegando! Não deixe de se atualizar sobre o que aconteceu no COP26 e demais matérias de atualidades. Boa sorte!

Leia também – Geografia: 4 tópicos para entender o Acordo de Paris

Avalie o Texto.

Leia Também:

Está "bombando" na Internet:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.